Da volta a minha casa e a paz dos cemitérios

Sharing is caring!

A vida sozinha, na minha casa, em Capão do Cipó, permite sempre meu reencontro comigo mesmo. Adaptei-me por aqui, gosto do lugar, das pessoas, da vida simples que eu levo, do meu espaço interno, do tempo, do pensamento e das reflexões. Sempre fui um ser caseiro, absolutamente caseiro. Nunca nada me atraiu na vida material. Até o meu amor é fundamentalmente espiritual.

Minha filhinha ficou em Maçambará. Ficou o vazio … a alegria da Nina me faz feliz. Isso é claramente identificável.

Nesse momento da vida, nada paga a minha paz, a serenidade e a tranquilidade.

Ademais, gosto das pessoas ao meu redor, são pessoas boas, desprovidas de maldades, solidárias e bondosas. As maldosas, não me alcançam.

Um dia tentei dizer que procurava um lugar para descansar meu corpo e minha alma. Por alguma razão mística, inexplicável aos olhos da ciência, a gente sabe quando começa a partir. Partes da gente começam ir antes da gente. Vão-se os pedaços. Eu noto isso claramente.

Hoje, deitei na minha cama, estirei meu corpo e dormi o mais mágico sonho. Não senti a presença de monstros e nem de cobras voadoras. Apenas dormi, sem intervalos de acordes. Foi um longo e reparador sono, quisera que fosse o último e eterno. Estou alimentado espiritualmente, a amor de minha filha é compreensivo e mágico. Deus conhece minha alma. Deus sabe o que eu fiz na Terra, isso me permite repousar em paz.

Se dependesse de mim, nunca mais sairia daqui. Tem muito vento e uma energia muito positiva. Os maus fluído não ficam, os ventos uivantes carregam tudo.

Vivo a paz dos cemitérios, especialmente noturna.

Com sorriso, quero dormir. Sentir a intensidade de Deus e curtir os últimos fragmentos de energia de minha filhinha, que ainda fluem pelos cantos da casa.

O futuro ainda não é. O devenir e o vir-a-ser são grandes mistérios. Poderia ser cálido?

Comentar no Facebook