O caso Thomas Matthew Crooks e a insanidade social em série

*JÚLIO CÉSAR DE LIMA PRATES

O caso desse jovem, de apenas 20 anos,  que atentou contra a vida do ex-Presidente Trump traz, embutido em si mesmo, o perigo do descontrole em série.  Assim como ocorrem com os serial killers, onde um caso desperta outros, esse caso do Thomas certamente moverá as atenções de outros jovens nos EEUU e no mundo.

Primeiro, tudo indica que o mesmo sequer tinha ficha corrida policial, era filiado ao Republicanos mas fez uma pequena doação aos Democratas.

É claro que ao fato de Thomas existem fatores subjacentes. Primeiro, a radicalização político-partidária que se vive nos EEUU. Segundo, a facilidade ao acesso a armas e, terceiro, sempre surgem esses casos de descontrole quando se polariza muito uma eleição e a política tende a atrair esses esteriótipos. Esse caso será muito estudado e analisado por psicólogos e especialistas afins, afinal o que leva um jovem de apenas 20 anos colocar sua vida em risco? Convicção ideológica é pouco provável, exceto o autoconvencimento do jovem, limitado ao que ele vê e assiste.

É evidente que a cultura da morte é altamente privilegiada na sociedade norte-americana e isso contagia e insufla negativamente diversos perfis, sendo quase impossível ao campo psicanalítico prever esses casos, que, afinal, geram enorme surpresa e perplexidade.

Mas os casos de ataques e mortes em escolas, que é uma marca da sociedade norte-americana, são altamente debatidos por especialistas e até hoje ainda não se chegou a consenso sobre como evitar essa proliferação de casos, que, na era da telemática expandiu-se mundo afora, inclusive em nosso país.

Eu escrevi um artigo após o debate na CNN entre Biden e Trump que a baixaria tinha dominado o tom de ambos os lados. Não precisa sequer ser um especialista para ver que isso contamina, especialmente as cabeças mais jovens e ávidas pela intervenção sociopolítica.

Esse caso ainda não foi sequer analisado com profundidade, mas ele já gera muita complexidade. O que levou a primeira guerra mundial em 28 de junho de 2014? Acaso não foi o assassinato do arquiduque do império austro-húngaro Francisco Ferdinando e sua esposa Shopie na Bósnia? Acaso não foi a ação do jovem anarquista  Gavrilo Princip, integrante da organização MÃO NEGRA? É claro e evidente que as condições objetivas e subjetivas pesaram fundamentalmente, mas o episódio em si contribuiu sobremaneira para a eclosão do movimento em si.

Sabe-se lá que tipo de influência esse jovem americano tinha? Ninguém ainda traçou um perfil de Thomas e com a pluralidade de acessos midiáticos nada pode ser descartado.

A banalização exposta no debate da CNN e a facilidade do acesso as armas no país podem ter influenciado o jovem Thomas, que sequer se preocupou com seus 20 anos e tampouco com seus pais. É claro que muito ainda vai aparecer, mas o certo é que o exemplo do caso é altamente negativo para a relação da sociedade com os atores políticos.

Em nosso país vivemos uma semelhança de radicalização ideológica há muito tempo exposta nas redes sociais, especialmente com o advento da massificação armada defendida pelo bolsonarismo e a banalização da vida pelo ímpeto político-ideológico-militarista que cresce na esteira de políticas públicas de incentivo a escolas cívico-militares.

Há muito esse germe está solto em nosso meio, assim como na sociedade norte-americana. Ademais, a conjuntura belicosa mundial, especialmente detonada a partir da invasão da Ucrânia pela Rússia, contribui em muito nessa fomentação, aliás, nessa mesma puerilidade do trato banal à vida assistimos com o genocídio israelense em Gaza desde 7/8 de outubro de 2023. É claro que nem o atentado do Hamas pode ser esquecido, mas a desproporção do ataque das FFAA de Israel em Gaza também contribuem nesse caldeirão, onde fervilha o ódio reprimido.

Em termos amplos de eventual conflito global toma corpo a leitura chinesa pela retomada de Taiwan, que encontra todas as condições subjetivas e objetivas favoráveis, especialmente pelo conflito russo-ucraniano e pelo desastre nas eleições norte-americanas, onde o senilismo de Biden ocupa os debates.

É evidente que existe uma retomada mundial pelo armamentismo, especialmente pela união russo-persa, assim como o russo-coreano e russo-vietnã,  assim como o conflito israelente x palestino que ganha corpo excepcional e contagia o mundo, a ponto de fomentar Xi Jinping e o partido comunista chinês na retomada de Taiwan desde Chiang Kai-Shek.

Nesse espectro todo que emerge no mundo não há como negar que a despeito de todos os avanços científicos e tecnológicos do mundo trilateral na era da inteligência artificial, tão decantada por Miguel Nicolelis, emerge também o descontrole primitivo que todos temos dentro de nós e o resultado dessa unicidade individual com a macro-política coletiva é o claro exemplo do atentado ao ex-presidente Trump, pois em todos está presente o germe da violência, seja na forma que for, mas que ninguém mais segura a explosão coletiva que insufla o individualismo, como foi com Thomas em face de Trump.

Ademais, a leitura complexa dessa anômala perversidade social enseja múltiplos conhecimentos, sob pena de gravitarmos em torno da mediocridade jornalística e dos fragmentos teóricos pinçados aleatoriamente de um ou de outro especialista, sem o todo ontológico necessário para a devida compreensão que exige conhecimentos históricos, sociológicos, filosóficos, jurígenos, psicanalíticos e até sociolinguísticos, pois sem a compreensão da relação língua-sociedade, tudo fica perdido e solto. Assim, não basta a sociolinguística, sem a leitura histórica, como não bastam essas sem a leitura psicanalítica, como também não bastam essas sem a leituras jurígenas (e não jurídica), assim como a sociológica e a filosófica.


*Jornalista nacional registro nº 11.175, Registro de Editor Internacional nº 908225, Sociólogo e Advogado inscrito na Sociedade de Advogados nº 9980 OAB-RS. Pós-graduado em Leitura, Produção, Análise e Reescritura  Textual e também em Sociologia Rural. Autor de 6 livros.  

 

Comentar no Facebook

Atentado a Trump: Quem é Thomas Matthew Crooks, atirador do comício

Fonte – CNN

O atirador que, segundo as autoridades, foi o autor do atentado contra o ex-presidente Donald Trump era um republicano registrado de 20 anos que já havia feito uma pequena contribuição para um grupo alinhado aos democratas, de acordo com registros públicos.

Comentar no Facebook

Presidente Lula repudia atentado contra Donald Trump: “inaceitável”

AGÊNCIA BRASIL EBC

O presidente Lula repudiou neste sábado (13) o que classificou de atentado contra o ex-presidente Donald Trump. Ele considerou o ato como “inaceitável”.

“O atentado contra o ex-presidente Donald Trump deve ser repudiado veementemente por todos os defensores da democracia e do diálogo na política. O que vimos hoje é inaceitável”, declarou o presidente nas redes sociais.

Pensilvânia. 13/07/2024 O candidato presidencial republicano e ex-presidente dos EUA, Donald Trump, é auxiliado por pessoal de segurança após o tiroteio durante um comício de campanha no Butler Farm Show em Butler, Pensilvânia, EUA. crédito- REUTERS/ TV

Neste sábado, Trump foi retirado por seguranças do palanque onde fazia um comício na Pensilvânia. Após sons de tiros, o candidato republicano se abaixou e levantou com sangue na orelha e no rosto.

O local do comício foi abandonado com cadeiras derrubadas e fita policial amarela ao redor do palco. O caso está sob investigação.

 

Edição: Juliana Cézar Nunes.

Comentar no Facebook

Corte de Haia decidirá dia 19 de julho sobre os territórios Palestinos ocupados por Israel

*JÚLIO CÉSAR DE LIMA PRATES

Corte de Haia decidirá dia 19 de julho sobre os territórios Palestinos ocupados por Israel, segundo foi anunciado nessa última sexta-feira, dia 12.

O Estado de Israel é invasor dos territórios palestinos desde 1967 e as ocupações na Cisjordânia são contínuas. E pior, ainda, é a questão na faixa de Gaza, onde as FFAA do Estado de Israel patrocinaram genocídios de crianças e mulheres, destruíram os lares e botaram toda a região de Gaza abaixo de chicote e crueldade sem precedentes.

O parecer da corte de Haia ainda não será vinculante e sim apenas consultivo, mas será importante para a adesão de países que apoiam os palestinos em Gaza e repudiam o genocídio feitos pelo exército assassino de Netanyhau e Galant.

A votação do relatório da Corte de Haia começará as 10 horas da manhã do dia 19 de julho e poderá ter reflexos em todo o mundo, especialmente no Oriente Médio e em nosso país, que apoia a causa Palestina e tem denunciado o massacre judeu contra os povos civis palestinos.


*Jornalista nacional registro nº 11.175, Registro de Editor Internacional nº 908225, Sociólogo e Advogado inscrito na Sociedade de Advogados nº 9980 OAB-RS. Pós-graduado em Leitura, Produção, Análise e Reescritura  Textual e também em Sociologia Rural. Autor de 6 livros.  

 

 

Comentar no Facebook

Diferença entre sufrágio e voto

Fonte – Jusbrasil

Embora muitas vezes utilizados como sinônimos, voto, escrutínio e sufrágio possuem significados diferentes. Sufrágio é o direito de votar e de ser votado; voto é a forma de exercer o direito ao sufrágio; e escrutínio é a forma como se pratica o voto, seu procedimento.

De acordo com a Constituição Federal, artigo 14, A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos. Isso significa o direito ao sufrágio é completamente desligado de qualquer forma de discriminação, sendo, portanto, um direito universal, de todos, exceto os estrangeiros e os conscritos, durante o período do serviço militar obrigatório, nos termos do 2º do dispositivo supra. O voto será, ainda, secreto e direto, ou seja, não há qualquer tipo de intermediação entre eleitor e candidato.

De acordo com a Constituição, há alistamento eleitoral e voto obrigatórios para os maiores de dezoito anos e facultativos para os analfabetos, maiores de setenta anos e maiores de dezesseis e menores de dezoito anos (art. 14, 1º).

Vale lembrar, por fim, que no Brasil temos uma democracia semi-direta ou representativa (art. parágrafo únicoConstituição Federal), sendo, assim, possível, em situações excepcionais a eleição indireta, como no caso de vacância de cargos de Presidência e Vice-Presidência da República nos dois últimos anos de mandato (art. 81CF), quando a eleição será feita pelo Congresso Nacional.

Comentar no Facebook