A importância da neurocirurgia e da cardiologia para Santiago …

O AVC sofrido pelo vereador Nelson Abreu (foto ao lado), PDT, além da marca da tragédia pessoal que se abate sobre um ser humano tão maravilhoso, abre, pari passu, a importância do debate acerca da instalação da neurologia, neurocirurgia e cardiologia no Hospital Regional de Santiago.

 

Poucas pessoas sabem avaliar o que representa para Santiago o ingresso no atendimento de alta complexidade médica, representada essencialmente por essas especialidades médicas.

 

Santiago passa a ser uma região geo-sanitária do nível de grandes centros urbanos, mesmo sendo uma média cidade gaúcha.

 

Poucos municípios gaúchos têm um hospital tão bem equipado e com equipamentos, tecnologicamente, tão avançados. Entender o que representa o atendimento de alta complexidade, neurocirurgia e cardiologia, é entender que estamos na ponta do atendimento médico e na ponta da luta para salvar vidas.

 

Como isso se processa?

 

Pessoas que têm um AVC, por exemplo, são obrigadas a ficarem esperando vagas nos grandes municípios mais próximos, a saber, Santa Maria ou Cruz Alta… Essa espera pode ser fatal, pois implica em tudo mais, inclusive, no deslocamento em ambulâncias com UTIs com capacidade tecnológica para empreenderem esses deslocamentos. Não pode ser qualquer ambulância.

 

Santiago preparou-se para o atendimento de alta complexidade. Prédios de excelente qualidade e equipamentos com tecnologia vinda do Japão, o que proporcionará a nossa região o atendimento as pessoas que, eventualmente, forem acometidas dessas enfermidades, em cima do fato. Rezam as teorias especializadas que tais pacientes quando atendidos nas quatro primeiras horas têm amplas chances de recuperação.

 

O que acontece, quando ainda não está funcionando a neurocirurgia e a cardiologia, é a expansão de um quadro adverso, pois identificada a doença, ainda temos que enfrentar o deslocamento para Santa Maria ou Cruz Alta e, muitas vezes, para lugares mais distantes ainda.

 

Com a inauguração de todo o complexo neurocirúrgico e cardiológico no próximo mês, muda tudo em Santiago e região em termos de qualidade da saúde.

 

Uma pessoa com AVC será atendida na hora no HRS, e isso significa dizer que as chances dessa pessoa salvar-se, são altamente ampliadas. É como se tivéssemos máquinas salva-vidas. Isso é tão fabuloso quanto fantástico.

 

Todos terão a oportunidade de serem atendidos dentro das 4 primeiras horas. Isso quer dizer que as chances de recuperação dessas pessoas ampliam-se enormemente.

No meio disso tudo vale lembrar a visão tática da vida que teve o santiaguense Deputado Federal Marcelo Brum(foto ao lado),  que investiu 7 milhões e 200 mil de suas emendas somente no Hospital local. Teve uma visão futurística, humanista pensando nos interesses difusos das pessoas, olhando a todos em geral e a ninguém no particular. Um político raro com uma visão rara.

 

Marcelo Brum não foi populista. Poderia fazer como fazem os políticos velhos matreiros; poderia sair dando parte de suas emendas para clubinhos de amigos. Não o fez. Deu justamente para a saúde de todos, assegurando proteção, modernidade científica e tecnológica na recuperação de cada um de nós, eventualmente acometido de uma doença. Uma visão rara.

 

No próximo mês acontecerá a inauguração das modernas instalações médicas que jogarão Santiago para o atendimento de alta complexidade e que criou uma nova região geo-sanitária no contexto do Rio Grande do Sul.

 

Emergimos para a grandeza científica e tecnológica como num passe de mágica. Estaremos todos mais seguros, mais confiantes e mais tranquilos com a saúde de nossos familiares.

Somou-se a visão fabulosa de Ruderson Mesquita com a visão de solidariedade humana de Marcelo Brum, foi a soma divina que nossa cidade precisava.

 

Marcelo Brum veio e mostrou para todos o que é a política do possível e em menos de 3 anos fez o que todos esses políticos demagogos, que sempre tiveram as mesmas condições de Marcelo Brum, nunca fizeram nada parecido, em décadas;  fizeram engambelação e malversação, troquinho aqui e troquinho ali.

 

Finalmente, aguardamos ansiosamente a inauguração de tudo em nosso Hospital, nos próximos dias, para todos, para o pobre, para o rico, sem olhar para a origem social e o sobrenome da família. Santiago está na modernidade científica e tecnológica da medicina.

 

Tirem suas conclusões.

Os elementos estão jogados para o debate.

 

 

” …mais da metade das Faculdades de Direito do mundo estão no Brasil …” André L. A de Melo, promotor de justiça

– O autor do texto abaixo é promotor de Justiça, chama-se André Luiz Alves de Melo, do Ministério Público do Estado de Minas Gerais, Doutor em Direito Constitucional/Processo Penal pela PUC-SP e associado do Movimento do Ministério Público Democrático (MPD). Do blog do Doutor Políbio Braga.

REPÚBLICA JUDICIALISTA DO BRASIL

O Brasil deve ser o Estado Democrático de Direito e não o “Estado Do Bacharel em Direito”. É fato que mais da metade das Faculdades de Direito do mundo estão no Brasil e isto não converteu em uma situação na qual tenhamos uma sociedade juridicamente mais eficiente e com melhores soluções sociais, inclusive até gera um efeito contrário em razão da necessidade de se criar mercado de trabalho para burocratas legais. Por outro lado, determinada ideologia que ainda prevalece no inconsciente coletivo foca apenas em direitos e praticamente nada em deveres, visando o pouco esforço.

Nos países mais desenvolvidos quando alguma decisão judicial tem erros de análise jurídica em seu conteúdo, a doutrina começa a escrever artigos e analisar a decisão para questioná-la. No Brasil, começa-se a decorar para o próximo concurso ou para o Exame da OAB, pois o objetivo é apenas copiar e não analisar o julgado. Nesse pensamento cultural é muito comum confundir memória (mero ato de copiar) com inteligência (ato de criar, analisar e pensar o tema). 

No modelo de ensino jurídico brasileiro, muito parecido com cursinho para vestibular ou concursos, estuda-se matérias como Direito Internacional, pois “cai” no Exame da OAB, mas como no Exame da OAB não “cai” Direito Eleitoral e Direito de Trânsito, então não se tem estas matérias de forma comum nas Faculdades de Direito.