A morte e o isolamento na pós-modernidade

Sharing is caring!

Tempos atrás, fui visitar um amigo, um velho amigo. Ele perdeu a esposa. Os filhos, todos moram fora do Estado.

Sozinho, com dificuldades para caminhar, coluna problemática, assolado pelos anos, pela vida e pelo tempo.

Ficou feliz com minha visita. Contou-me que quase ninguém o visita. Realista, mostrou-me a pistola que mantém ao lado. Sozinho e isolado, falou-me que tentará resistir enquanto der. Eu entendi o recado. Recordei de obra monumental de Akira Kurosawa: Balada de Narayama. Uma das melhores produções cinematográficas que conheci.

Fiquei chocado, embora saiba bem da realidade dos dias atuais. A pós-modernidade científica e tecnológica avançou muito na robótica, telemática, mas não conseguiu resolver o problema básico do ser humano. Esse meu amigo é de um bom padrão de vida, não lhe faltam recursos. Seu drama é a solidão, é enfrentar as horas e esperar a morte. Ou antecipá-la, o que me parece ser o seu desejo.

Mais uma vez emerge a importância da família, dos laços, da origem do isolamento, das dores e dos dramas, dramas que – muitas vezes – a dinâmica social não nos permite sequer compreender.

A humanidade evolui e trás embutida em sua evolução – pari passu – também a sua involução.

Se fosse no Japão de medievais tradições, como na versão de Akira, ele “subiria” vivo aos montes, para ser devorado pelos abutres. Não sei se subirá o Obelisco ou se será carregado em plagas distantes. Qualquer que seja a hipótese, entre o realismo fantástico e o surrealismo, aflora mesmo é a crua realidade da dor das pessoas que – sozinhas – vivem dramas seculares.

Comentar no Facebook

Deixe uma resposta