Bianchini: Marcelo Brum é bem-vindo no PL, assim como o Médico Ourique

Eu recebi uma gentil ligação do ex-deputado Miguel Bianchini (foto), especialmente em face de matérias que eu escrevi.

Primeiro, Bianchini ponderou-me, com muita fineza, que não existe ruptura no PL e que estáo todos unidos. Diz-se vítima de boataria e maldades, e que na campanha, chegaram a espalhar boatos que ele era PT.

Segundo, Bianchini me disse que segue na presidência do PL e que tem uma profunda sintonia com o Presidente Estadual, Deputado Giovani Cherine.

Terceiro, Bianchini me disse que Marcelo Brum é muito bem visto no PL e que já teria formulado um convite ao irmão de Marcelo, o senhor Ruy, que o PL estava aberto ao ex-deputado federal, assim como ao Médico Ourique. Bianchini citou os dois nomes. Disse-me que muitas pessoas estão se filiando no PL, mas que ele está fazendo um trabalho quieto.

Queixou do bloqueio da imprensa e dos ataques infundados que é vítima.

Disse-me também que com o largo tempo de TV que o PL tem, pretende fazer uma grande bancada em 2024.

Disse-me que o PL é democrático e que eventuais nomes ao executivo serão avaliados pela direção partidária, mas que se esforça para que o PL tenha um nome majoritário.

Com honestidade frisou que o futuro das oposições em Santiago está complicado, com Rosado e Bueno fazendo postagens ácidas demais ao PL e que isso prejudica o futuro entendimento para 2024.

O grupo que lidera continua se reunindo e no próximo mês terá uma nova reunião do grupo.

As zebras da copa e o discurso da oposição santiaguense

Descrevendo minha aldeia, eis que me volto para dentro dela.

Não sou nada de Tolstoy, mas gosto de ser como ele, descrevendo minha aldeia.

A rigor, não acredito em nada na oposição de Santiago, está tudo caótico e cada vez pior.

Tive um relato que o ex-deputado Miguel Bianchini atropelou os 2 vereadores do PL, pois quando das críticas de Décio Loureiro, os mesmo não teriam defendido sua filha, que não ganhava o que o vereador pepista levantou.

Gildo tomou outro rumo e, quando da janela partidária, deve trocar de partido, se fala muito no Mais Brasil, deixando Bianchini com Cherini, que agora reassumiu o comando do PL-RS. É uma disputa local, paroquial.

Ninguém sabe ao certo o futuro político partidário do ex-deputado Marcelo Brum. No Republicanos, parece ser mal visto e se quiser ter uma legenda para concorrer, deve pedir para a opereta universal de Carlos Gomes destituir a comissão local e nomear outra com o grupo de Marcelo.

Bianchini precisa demonstrar força para a estadual. A rigor, não é candidato, mas terá alguém no PL e tentará eleger 3 vereadores, dentre eles, o próprio.

O grupo de Gildo, alinhado com a ala bolsonarista mais autêntica, deve ungir o parlamentar como prefeiturável.

Parece que nem Bianchini e nem Gildo estão propensos a uma aliança com Marcelo. Só na direita, poderemos ter 3 candidatos, fora do PP.

É claro, o PT terá candidato e com a coerência histórica o PT só aceita fechar com o PDT, enquanto um ex-vereador petista está tentando legalizar o PSB.

Resta ainda o grupo do MDB, aliado do PSDB, que também tem que ter um candidato a prefeito e procura fazer uma bancada.

A rigor, a oposição poderá ter 5 nomes nessa confusão e o PP irá para o passeio com Piru Gorski e Éldrio Machado… e tentarão herdar a votação lulista em Santiago, mais as sobras da direita que não é bolsonarista.

É claro, que nenhum ET tente entender a política santiaguense.

Essas zebras da copa tem enchido de esperança as oposições, que veem a eleição como uma partida de futebol.

Para quem dizia que a oposição não tinha um discurso em Santiago, acharam no futebol a glória e se acontecer um outra zebra nessa quinta-feira, será o orgasmo coletivo, todos vão se jogar com muito ímpeto.

Só que as zebras do Catar estão disfarçadas de camelos.