Rio Grande do Sul está entre os piores no ensino médio e fundamental. De quem é a culpa e onde estão os erros?

A notícia, divulgada agora há pouco em Zero Hora, alude que nosso Estado está entre os piores na avaliação do ensino médio e fundamental.

Essa posição é vergonhosa e revela a péssima educação ministrada em nosso Estado. A má escola gera péssimos alunos e os responsáveis diretos por esse caos são os professores e as autoridades, que permitem cursos de acesso ao magistério de baixíssima qualificação, existe uma esculhanbação nos cursos de acesso ao magistério, com cursos R2 que formam professores em até 6 meses, sem estágio e sem TCC.

Essa mercantililização da educação gera mesmo um caos e nesse cenário triste e pacífico incide também a ausência de uma proposta séria do governo do Estado, que pouco leva a sério a educação, isso é visível.

Eu acompanho a educação em nosso Estado há anos e sei bem o que estou falando, especialmente pelos meus 64 anos, pois desde 1980 acompanho as lutas do CEPERS e a formação de nossos professores. Ultimamente, tudo virou um caos, com a facilidade de se fazer pós-graduação latu sensu e mesmo graduações com aulas on line. que não têm compromisso com a seriedade didática e pedagógica, exigências de uma educação de boa qualidade. Também em nível stricto sensu temos a formação on line, que muitas vezes tem pouca seriedade com a formação e qualificação dos professores.

A notícia desse desastre, por um lado é boa, pois abrirá um pertinente debate em nosso Estado e baixará a onda de que temos educação de qualidade.

Eu não sou contra a formação on line, mas ultimamente existe uma proliferação descontrolada de cursos de acesso ao magistério e aqui a falha dos governos é flagrante, pois autorizam cursos de forma fácil e sem as exigências sérias que o exercício do Magistério exigem.

Esse retrato divulgado hoje é caótico e deveria nos envergonhar.

O furo é mais embaixo, pois as as autoridades governamentais facilitam ao extremo a conclusão do ensino médio e fundamental, apenas para dar uma satisfação social, mas sem a seriedade e a preocupação idônea.

O caos é o nosso retrato na educação e todos devemos assumir nossa vergonha.

 

A questão do ensino superior no Brasil

* JULIO PRATES
O ensino superior no Brasil desenvolveu-se, desde suas raízes históricas, sob o signo de instituição problema. Além de não desempenhar as suas funções sociais que justificassem sua razão de ser, alcançou sempre rendimentos baixíssimos, a partir de um péssimo aproveitamento dos fatores humanos educacionais. A má escola perpetua-se pelo mau ensino.
.
A escola superior, criada à luz de uma sociedade oligárquica, de estruturas rígidas, desempenhou em seu limiar funções societárias bem definidas, a transmissão dogmática dos conteúdos importados e a formação dos filhos das elites dominantes de então, ambas necessárias à manutenção do “status quo” dessas elites.
.
Sufocada pelo caráter elitista e pelo compromisso classista com as forças conservadoras, a escola superior não engendrou o que seria um processo dinâmico de desenvolvimento a partir da valorização do pensamento crítico, no incentivo à pesquisa e da criação científica e tecnológica.
.
Consequentemente, não reproduziu os valores humanos e intelectuais necessários ao pleno amadurecimento como instituição, seu desenvolvimento foi atrofiado desde as origens.
.
A revolução de 30, aparentemente, destruiria o caráter árquico da sociedade imperial, abrindo novos horizontes dentro de uma sociedade télica de sociedade emergente: a republicana. Uma sociedade voltada para para o desenvolvimento , onde a nova função social possibilitaria como instituição, das características atrofiantes de suas raízes.
.
Mas, dentro do extenso quadro social, as forças conservadoras galgaram novas posições, articularam a reorganização da sociedade nacional, segundo seus interesses, limitando a pequenos passos de uma elite o que deveria ser o início da caminhada de inteira de um povo.
.
Dentro da instituição do ensino superior, a vitória das forças conservadoras deu-se sobre o prisma de universidade conglomerada . A simples conglomeração de cursos superiores em universidades, sem um interrelacionamento dinâmico entre os cursos e um redirecionamento funcional, fez com que se mantivesse o caráter anacrônico do padrão de escola superior original, além de permitir um controle mais eficaz, a partir da centralização nas reitorias e nos conselhos universitários.
.
Mais uma vez, o ensino superior não obteve fôlego para acompanhar os progressos sociais limitados de uma sociedade contraditória: télica, voltada para o futuro, o progresso , pela sua nova nova estruturação republicana é árquica – voltada para o passado, para suas raízes, pelas suas condições econômicas.
.
Apesar das aparências modernizantes da universidade conglomerada, a simples aglomeração de escolas superiores não vingou uma universidade multifuncional. Isto é, a multiplicidade de interrelações entre as diversas escolas da universidade de forma funcional , dinâmica e participante do processo social em curso. A universidade conglomerada não atingiu, portanto, os anseios da vanguarda intelectual tanto do corpo docente como discente. Assim, como uma nação inteira buscava sua emergência dentro do processo histórico.
.
É nesse quadro estéril qualitativamente que se desencadeou a reprodução quantitativa dos estabelecimentos de ensino superior.
.
Nos meados da década de 60, as pressões da vanguarda universitária, aliada a evolução política da época, possibilitaram experiências novas, de uma universidade que exercesse realmente suas funções sociais a partir de uma visão progressista de esquerda, como foi o caso da UnB.
.
O resultado dessa experiência foi a formação de um padrão médio intelectual bem acima do padrão médio, além do desenvolvimento do pensamento crítico.Esse processo, é claro, não se deu apenas no âmbito do ensino superior, mas sim no amplo contexto social, provocando imediata reação das forças dominantes.
.
Paradoxalmente, foi esta reação às forças de vanguarda que possibilitou a unificação e o direcionamento de seus movimentos políticos. Detectado o erro, a reação partiu para uma nova tática. Impossibilitada de reprimir pela força e repressão, fragmentou campus, afastou-os dos centros urbanos e isolou-o do conjunto social mais expressivo.
.
Com a redemocratização, nos governos Collor e FFHH, houve um visível sucateamento, corte de verbas, a pesquisa e o ensino viverem momentos dramáticos.
.
Contudo, nos governos Lula e Dilma houve novas diretrizes. Abertura de novas universidades, fomentação de centros tecnológicos, IFETs, redefinição de verbas públicas para a pesquisa, valorização do ensino, rede de estrutura predial, corpo funcional valorizado, em suma, foi o melhor período do ensino superior no Brasil, inclusive com linhas de financiamentos paternalistas que propiciaram aos filhos das camadas sociais mais humildes de sociedade atingirem o ensino superior e até freqüentarem mestrados e doutorados.
.
Quando eu escrevi que com Temer e Bolsonaro tudo isto iria entrar em refluxo, os imbecis alunos do IFF e seus familiares me atacarem de todas as formas possíveis. Tenho uma a uma das mensagens agressivas. Estava na cara que não entendiam nada de política e sequer sabiam ler uma conjuntura. Gente burra, pois eu apenas analisava os desdobramentos do que seria o futuro dos IFFs e universidades federais nas mãos dessa gente. Apenas isso.
.
O ministro boliviano da educação brasileira já declarou, dentre outros absurdos, que a universidade precisa ser para uma elite. Filhos de pobres que se preparem para virarem empregados, mão-de-obra barata e desqualificada. Vem amanhã,  especialmente, o enfoque no governo Bolsonaro e no governo do Presidente Lula, recém iniciado.
.
Segue a versão 2 na postagem de amanhã!!!
* É autor de 6 livros, Advogado, Sociólogo e Jornalista. Pós-graduado em Produção Textual, Escrita, Reescrita, Leitura e Releitura; também é pós-graduado em Sociologia Rural. 

Advogado Júlio Garcia oficializa sua pré-candidatura a prefeito pelo PT de Santiago

Íntegra do documento entregue por Júlio Garcia a direção do PT/SANTIAGO na semana passada. Entregue a Executiva e ao Diretório Municipal.

Júlio Garcia e o cartunista SANTIAGO
Júlio Garcia e o cartunista SANTIAGO

Companheiros(as):

Pelo presente, depois de bastante avaliar a conjuntura política local/estadual/nacional, como sempre faço, e atendendo sugestão e pedidos de vários (as) companheiros(as), amigos e simpatizantes, informo que concordei em colocar meu nome – assim como já fez o companheiro Chico Matos e, quiçá, façam outrxs companheiros/as – à disposição para também ser discutido e avaliado internamente para representar nosso partido (e demais possíveis aliados) ao Executivo Municipal nas eleições deste ano.

Entendo, por fim, que o tempo para essa decisão (tática eleitoral, Programa de Governo e definição das nossas pré-candidaturas) está prestes a esgotar-se, razão pela qual sugiro que a mesma seja tomada, no máximo, até meados de Abril.

“Ousar Lutar, Ousar Vencer!”

PT, Saudações!

Júlio C. S. Garcia.
Advogado.