O aborto e a esquerda maniqueísta. Da semeadura do ódio e o não respeito ao pensamento diferente

É impressionante como estas feministas do PT e da esquerda querem impor suas idéias sobre o aborto. Os homens, acovardados, não ousam discordar.

Trata-se de um bando de idiotas, autoritárias, escondendo-se atrás de condição de mulher.

Aborto é crime contra uma vida indefesa. Ponto final. Não abro mão do meu entendimento. Gostem ou não, é o que eu penso, são minhas convicções pessoais e morais. Sou pai de uma filha, uma filha linda, saudável, que encanta a todos com sua alegria e felicidade. E se eu tivesse comprado o abortivo?

A esquerda é burra e maniqueísta.

Todo o esquerda precisa ser abortista.

Todo o esquerda precisa ser contra os judeus e contra Israel.

Todo o esquerda precisa odiar qualquer o juiz ou juíza de de direito.

Não sou abortista, sou a favor da paz entre judeus e islâmicos e não vejo problemas nos juízes, tenho divergências pontuais, normais numa relação advogado x juiz.

Quem leu aquela manifestação no meu face, mandando-me enfiar a “bíblia no cu”, revela bem a encruzilhada e o radicalismo das imbecis.

Sou contra a legalização do aborto, sou a favor da descriminalização, apenas isso. Não tentem me impor um pensamento que fere minhas crenças e tornar-se-ão meus inimigos e inimigas.

Em 1987, na Revista Ponto de Vista, em Porto Alegre, escrevi meu primeiro ensaio sobre o assunto. Passados 31 anos, continuo com a mesma ideia e o mesmo campo de opiniões e convicções.

Comentar no Facebook

Não é bom tocar em um ungido do Senhor (Sl 105.15; 1 Sm 24.6,7)

Esse monumental escândalo envolvendo integrante da alta cúpula da Assembleia de Deus é mais um escárnio público, corre de vila em vila, contra o movimento evangélico de Santiago.

Não vou citar nome em respeito a família, mas o fato é indicativo dos rumos que a coisa tomou.

Quando a igreja se levantou contra mim, que sou um servo de Deus, ungido e consagrado, não mediram bem as consequências. Deus é justiça, sobretudo.

Provérbios 22.23

Não é bom tocar em um ungido do Senhor (Sl 105.15; 1 Sm 24.6,7). Ai de quem ousa tocar em alguém que tenha recebido a unção divina, mesmo que, aos olhos do homem, aquela pessoa seja tida como insignificante. 

Deus – o nosso Defensor – não faz nada fora da Sua Palavra, ainda que aquilo pareça necessário. O Senhor é varão valoroso e perfeito nas batalhas, e, uma vez a guerra tendo-se iniciado, não haverá tréguas.

 

Comentar no Facebook

Ao estúpido general Mourão

O general, vice do capitão, deveria – pelo menos – ter lido a monumental obra do Historiador Sérgio Buarque de Holanda, RAÍZES DO BRASIL, escrito em 1936, ensaio que qualquer estudante raso de sociologia conhece.

Toda a insensatez demonstrada pelo general, afora desconhecer nossas raízes, destila preconceito, embute teorias racistas e demonstra o péssimo preparo da escola superior de guerra.

Se um general desconhece as raízes do seu próprio país, não é de estranhar que não tenham a mínima noção de democracia constitucional, teorias de poderes, concepções de Estado, formas e sistemas de governos.

Em resumo; um bronco. Broncos.

Por outro lado, prestou um desserviço a nossa luta pela igualdade. Defendemos que existe uma só raça na face da Terra, a raça humana. Ademais, levantar diferenças entre  brancos e negros, é um precedente perigosíssimo, que deve – sim – ser combatido.

Mas estamos vendo de tudo. Por um detalhe, não tivemos um príncipe de vice, defendendo a volta da monarquia, concorrendo dentro das regras republicanas, aliado dos militares que deram o golpe  … também … na monarquia.

O atual estágio de alienação e burrice da sociedade brasileira, chega a doer. E depois dizem que vivemos na sociedade do conhecimento.

 

 

Comentar no Facebook

O batismo de Bolsonaro e o avanço do fundamentalismo religioso no país – publicado dia 13 de maio de 2016

http://prates35.rssing.com/chan-7402849/all_p167.html )

Fato amplamente divulgado no país e no exterior, o batismo evangélico do Deputado Bolsonaro, PSC, nas águas do Rio Jordão, enseja uma preocupação que nossos analistas políticos nacionais sequer tocam.

Primeiro, é claro e evidente que Bolsonaro prega o ódio, o incitamento entre classes sociais, não pactua de ideias do campo do bem-estar social, que é o que mais se aproxima do cristianismo, faz uma política odiosa, discriminatória e seus atos e gestos são sempre em defesa da truculência e do barbarismo. Defende o terror abertamente e não tem nenhum pudor ao defender a tortura.

Isso é apenas um lado da questão, perceptível a olhos nus até mesmo ao raciocínio mais imbecil. Afinal, como um homem que pactua e defende os ideais que defende, pode aceitar a doutrina cristã-evangélica, que prega a paz, o amor, a conciliação, a fraternidade, a solidariedade, o afeto e o perdão?

Por outro lado, essa é a questão mais imperceptível em nossas leituras, é que o ato de Bolsonaro insere-se num contexto de avanço claro de um fundamentalismo religioso ultra-direitista que avança no país a passos largos. A junção do ingrediente político-partidário com religião é explosiva.

Mesmo sem ser candidato e antes mesmo de qualquer debate presidencial, Bolsonaro já aparece com 8% nas pesquisas de intenções de votos em nível nacional. Catalizando evangélicos, direitistas militares e católicos mais ortodoxos e moralistas, estaremos com nossa família LE PEN numa versão tupiniquim. Avanços no campo dos direitos sociais e humanos tendem a retroceder. Avanço no campo dos direitos civis, da mesma forma. As políticas afirmativas de discriminação contra pardos, negros e índios serão objeto de revisão. Não sem razão, o Pastor da Igreja de Bolsonaro, Marcos Feliciano, tem pregado abertamente que a África é um continente amaldiçoado, negando toda a espoliação que os países ricos e industrializados fizeram no continente pobre e humilde … e nisso – somos próceres – pois sequer nos preocupamos com transferência de empresas sujas, fomos protagonistas diretos do tráfico de seres humanos como mão-de-obra barata e desqualificada para nossas lavouras.

Por outro lado, haverá o aumento do preconceito contra as religiões afros e consideravelmente contra o Islamismo. O que não for evangélico, será coisa do diabo ou satânica. Essa é a essência do fundamentalismo.

Avanços no campo do direitos civis,  serão barbaramente afrontados, questionado e – certamente – objetos de grande retrocesso. É claro que mudanças legislativas serão propostas e ousadas dentro da perspectiva de direita.

Bolsa família, minha casa, universidades para pobres, políticas de escolas técnicas, podem anotar, entram em retrocesso e vem a ordem do dia a valorização do ensino privado e comunitário.

A força evangélica também mudará a moda. E quem acha que a questão dos biquines e sungas nas praias é bobagem, certamente não ouviu o Pastor Silas Malafaia e o ato extremo de Jânio Quadros, paradigma dessa discussão não é tão recente em termos históricos.

A mulher será glamourizada como ética e estética da esposa que fica em casa, amamentando, fazendo comida para o esposo, cuidando da faxina de casa, bela e recatada. Nelson Rodrigues será iconizado por suas máximas: as feias que me perdoem, mas beleza é fundamental. E essa outra é cruel: não é toda a mulher que gosta de apanhar, só as normais.

Com esse pensamento, haverá um endurecimento nas leis penais, sem a menor sombra de dúvidas. Mais presídios, colônias de presos e até nas cláusulas pétreas constitucionais serão revistas. Menor infrator, na cadeia. É claro, a redução da maioridade penal caiará em questão de meses. Até porque tudo é fomentado pela grande mídia, sabidamente anti-social e privatista. A PETROBRAX não é mais um sonho.

As ciências e as pesquisas mais avançadas, genoma, por exemplo, sofrerão um atraso como nunca visto.

Entrará em moda os velhotes com as guriazinhas, Veja já cantou a pedra.Bela, recatada e do lar, será a máxima do novo Brazil. Com z.

Volta o estudo de moral e civismo e o ensino religioso será obrigatório, dentro da visão cristã, com tendência luterana. País laico, será coisa do passado.

A CLT vai ser derrogada para atender os interesses do empresariado e a todos os recursos que serviam de base cristã do Estado de bem-estar-social que iniciávamos – com certeza – será carreado para infraestrutura e escoamento da produção.

Bolsonaro, Feliciano, Malafaia e outros perceberam que havia espaço para o avanço de um pensamento de direita ultra conservador no país. Apenas colocaram-se na condição de agentes políticos catalizadores desse pensamento, captando os sentimentos dispersos e dando forma e roupagem a um pensamento que já existia, sempre existiu, mas que ninguém dele tinha se apoderado.

O Brasil está entrando na era do fundamentalismo político e religioso e o batismo de Bolsonaro representou esse símbolo.

Comentar no Facebook

Toques Rápidos

Marcos Peixoto (filho) atendeu um convite do vice-governador Cairolli e a indicação do PSD e assumiu como Diretor da CEASA, em Porto Alegre. Uma experiência fantástica, que lhe dará mais bagagem para assumir a prefeitura de Capão do Cipó.

O escândalo pipocou em Santiago com as oitivas da semana passada.

Agora, ninguém sabe de quem é o avião que jogou cocaína no Capão do Cipó. Investigações preliminares preludiam que a aeronave pertence ao PCC. Onde estamos enfiados? O estouro é grande.

Eu recebi um ante-projeto de lei que cria a figura do técnico judiciário. O requisito é ser bacharel em Direito. Visa dar destino aos milhões de bachareis em Direito não aprovados no exame de ordem.

 

A crise e a prisão de Lula despontaram dois nome federais do PT: Marcos Maia e Paulo Pimenta. Nossa região precisa ter este reconhecimento e votar em massa nesses dois nomes.

Quem vê na televisão acha que anabolizantes são usados somente em São Paulo e Rio … que gracinha.

As pessoas me perguntam o que eu acho da eleição de Júlio Ruivo. Não me furto da resposta. Ruivo faz entre 12 e 14 mil votos dentro de Santiago. Fora de Santiago, oscilará entre 14 e 16 mil votos. Em suma: não se elege em nenhuma hipótese. É uma pena. Um nome que poderia ser poupado para 2020. Como Bianchini fará uma votação estupenda, vem que é um trator em 2020. A reunião das oposições em torno do seu nome já é uma costura bem costurada nessas alturas. Deu casamento, fora as frescurites de sempre do PMDB, que só querem cargos, mas não tem votos.


O GRANDE nome das oposições é Guilherme Bonotto, ladeado de Mauro Burmann. Em breve divulgarei a declaração de voto para deputado estadual dessas duas grandes lideranças. Em SANTIAGO, pelo que eu entendo, quem é 55, é Bianchini.

Se Lula não conseguir concorrer, no primeiro turno, vou decidir meu voto entre Ciro Gomes ou João Vicente Goulart.

E o assalto ao diretório do PP vai continuar sem explicações para a sociedade?

Imaginem uma encontro numa fazenda sem saberem que a PF tava filmando tudo.

Comentar no Facebook

Por que saí do PP de Santiago, por Miguel Bianchini

Em abril de 2004, fui substituído na função de comandante dos Bombeiros de Santiago, após esse ato, fui intensamente assediado a concorrer ao cargo de vereador do município. Sem ter vínculo partidário algum, procurei aconselhamento com o amigo de longa data e prefeito da época, o saudoso Chicão. Ele achou genial a ideia mas sentenciou:

– Não inventa de concorrer por outro partido senão o PP.

Como via no Chicão um prefeito visionário, com foco desenvolvimentista e social, prioridades claras de fomento à indústria e à produção rural, de apoio e incentivo aos empreendedores da cidade e do campo, preocupação com a geração de oportunidades, emprego e renda, com o futuro das crianças e adolescentes, com a qualidade de vida dos idosos, com a infraestrutura necessária aos bairros, especialmente os mais pobres, com os funcionários públicos e o povo de modo geral, não tive dúvidas, na condição de militar me filiei ao PP às vésperas da eleição e concorri a vereador no ano de 2004.

Me elegi com 1.139 votos e durante os 4 anos de mandato fui o grande defensor e escudeiro das políticas públicas implementadas pelo prefeito Chicão na Câmara Municipal. Quem não lembra?

Me reelegi em 2008 pelo PP com 2.198 votos.

Em 2009 veio a sucessão municipal, Júlio Ruivo assumiu como prefeito e de cara começou a mudar o foco das políticas públicas: das desenvolvimentistas e sociais do Chicão para a urbanística que foi prioridade nos 8 anos do novo governo.

Meu primeiro confronto, foi quando no início do governo quiseram nos obrigar a defender projeto de lei mudando as zonas fiscais de Santiago, aumentando violentamente o valor do IPTU de todos os imóveis. Devido a minha forte oposição, a proposta não saiu do gabinete. Começava ali minha primeira incompatibilização com a nova administração.

Obras e ações do governo foram direcionadas para o centro e avenidas da cidade, visando o embelezamento crescente destes locais. Enquanto isso, políticas bem-sucedidas do governo anterior foram se esvaziando: os mutirões rurais e nos bairros, distrito industrial esquecido, berçário industrial (hoje fechado), patrulha agrícola desmantelada, projeto Criança Feliz perdendo força, adolescentes desamparados de políticas sociais, carência de apoio a empreendedores da cidade e do campo. O projeto modelo da administração Chicão, a UTCAR (unidade de triagem e compostagem de rejeitos sólidos) que recebeu um grande volume de dinheiro público, foi enterrado, e o lixo urbano entregue a exploração privada, aumentando em 300% a taxa recolhimento do lixo comercial e dobrando a taxa do urbano. A prefeitura municipal passou a ter um inchamento progressivo, perdendo, pouco a pouco, sua capacidade de investimentos.

Na Câmara de Vereadores, de defensor da administração passei a silenciar, e, com o passar do tempo, a contestar as ações equivocadas do Executivo. Um ano e meio depois do novo governo, tomei a decisão de sair do Partido Progressista, pois não concordava com a forma que Santiago estava sendo administrada.

Hoje temos uma cidade com praças e avenidas embelezadas, porém, uma prefeitura inchada e um município estagnado economicamente, sem emprego e expectativa para nossos filhos.

Mudou o prefeito, mas segue a mesma política atrasada, que desanima o futuro das crianças e adolescentes.

Temos que recuperar os sonhos da nossa gente, buscar uma cidade empreendedora, progressista de fato, capaz, eficiente, de pleno emprego e que proporcione dignidade aos filhos seus.

Comentar no Facebook

Reajuste dos magistrados será de 16% a partir de 1º de janeiro de 2019.

Poder Judiciário terá aumento de apenas 16% para o próximo ano, a partir de 1º de janeiro de 2019.

Votaram a favor do aumento os seguintes ministros do STF: Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Luiz Fux.

Os demais, votaram contra. O percentual vale para todos os desembargadores, ministros e juízes do país.

Espera-se que o MP adote o mesmo índice, assim como os Ministros do TCU.

Comentar no Facebook