A canoa vai virar

Se a canoa não virar,
Olê olê olê olá
Eu chego lá

Se a canoa não virar,
Olê olê olê olá
Eu chego lá

Rema, rema, rema, remador
Quero ver depressa o meu amor
Se eu chegar depois do sol raiar
Ela bota outro em meu lugar

Se a canoa não virar,
Olê olê olê olá
Eu chego lá

Se a canoa não virar,
Olê olê olê olá
Eu chego lá

Rema, rema, rema, remador
Quero ver depressa o meu amor
Se eu chegar depois do sol raiar
Ela bota outro em meu lugar

Se a canoa não virar,
Olê olê olê olá
Eu chego lá

Se a canoa não virar,
Olê olê olê olá
Eu chego lá

Rema, rema, rema, remador
Quero ver depressa o meu amor
Se eu chegar depois do sol raiar
Ela bota outro em meu lugar

Se a canoa não virar,
Olê olê olê olá
Eu chego lá

Se a canoa não virar,
Olê olê olê olá
Eu chego lá

 

EMILINHA BARBOSA

PAULO HENRIQUE AMORIM: Maioria Do STF Envia “Suprema Banana” a Sérgio Moro; ícone da Direita cai por Terra

Click Política

Votaram com a Constituição: Alexandre, Rosa, Toffolli, Lewandowski, Gilmar, Marco Aurélio e Celso.

Trata-se de vitória política esmagadora.

Vários outros ameaçados não serão presos.

TRF-4 vira pó de segunda-feira.

Moro não vai entregar Lula algemado ao William Bonner.

E a Ministra Cármen Lúcia dará entrevista a Heraldo Pereira, Cegonhóloga e à colUnista da Puglia.

Sobre o 12º Ministro, o Ataulpho… ele merece uma banana da terra.

PHA

 

É grande o temor entre os petistas que Moro fuja do país. Seu pedido de exoneração da Universidade Federal do Paraná, é um indicativo claro de que ele pretende fugir para os Estados Unidos. Enquanto isso, o neo-neófito pretencioso do Marcel Van Hattem, que tentava interferir na autonomia universitária da UFRGS, de ministrar aula sobre o golpe de 2016, teve uma derrota acachapante na Justiça.

 

Conselho Nacional do Ministério Público abre processo contra Procurador da Lava jato

Em uma mudança radical de posição, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) decidiu instaurar Processo Administrativo Disciplinar (PAD) contra o Procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos principais coordenadores da Força Tarefa da Lava Jato em Curitiba.

O processo é motivado por comentários que ele fez no Facebook criticando o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva.

Em dezembro passado, na análise do promotor de justiça do MP de Goiás, Lucas Danilo Vaz Costa Júnior, que atuava como Membro Auxiliar da Corregedoria Nacional, o comentário feito por Santos Lima não chegou a ser considerado motivo para um processo disciplinar. Na época, houve apenas a recomendação para que ele “deixasse de expressar opiniões sobre políticos, partidos e investigados pela operação.” de forma a preservar “a integridade, a solidez, a isenção e a credibilidade como valores” de integrantes do MP.

Uma reanálise do caso, a pedido da defesa de Lula, levou o atual corregedor Nacional do Ministério Público, Orlando Rocha Moreira, procurador de Justiça do estado de Sergipe, no último dia 13, a ver indícios da falta de decoro que justificam abertura do PAD.

A decisão, como previsível, gerou protesto dos procuradores da República da Lava Jato, em nota emitida nesta quarta-feira (21/03). Para os membros da Força Tarefa de Curitiba “é dever do Ministério Público e direito de todo cidadão trazer a público e explicar o envolvimento comprovado de partidos políticos e políticos em crimes, de forma privada ou pública, e de apresentar reprovação em relação a tais comportamentos, inclusive com a indicação nominal dos envolvidos e particularmente quando acusações formais já foram apresentadas”.

Ou seja, no entendimento dos procuradores eles além de fazerem suas denúncias, de acordo com a função que lhes cabe, são livres para criticas e quaisquer outros comentários, mesmo fora dos autos do processo, nas redes sociais. Afinal, eles se consideram cada vez mais donos da verdade.

No texto agora censurado, segundo descreveu a revista eletrônica Consultor Jurídico em janeiro passado – Procurador da “lava jato” deve parar de criticar políticos e partidos, diz CNMP –, “o procurador explicou como, no âmbito da “lava jato”, havia diversas organizações criminosas parcialmente autônomas. Assim, segundo ele, existia o grupo do PT, o do PMDB no Senado, o do PMDB na Câmara dos Deputados, entre outras. E a do PT, conforme Santos Lima, era comandada por Lula”. Ou seja, impunha a Lula, como presidente da República, a condição de chefe da organização criminosa. No seu Facebook ele registrou:

“Assim, por exemplo, Alberto Youssef tinha sua própria organização criminosa, com objetivos, permanência e pessoal. Entretanto, essa organização prestava serviço de lavagem de dinheiro àquela do Partido Progressista essencialmente, mas também eventual serviço para as organizações criminosas das empreiteiras. Assim, Alberto Youssef era sob um aspecto líder, mas sob outro, subordinado. Mas a própria organização criminosa dentro do Partido Progressista era subordinada a outra maior, dentro do governo do PT, cujo ápice estava o ex-presidente Lula”.

Para Rochadel Moreira, o texto tem “indícios suficientes de cometimento da infração disciplinar” prevista no artigo 236, inciso X – “O membro do Ministério Público da União, em respeito à dignidade de suas funções e à da Justiça, deve observar as normas que regem o seu exercício e especialmente guardar decoro pessoal”. A partir desta exigência legal, o procurador poderá ser submetido a uma censura.

Leia, abaixo, a nota de protesto dos procuradores da Lava Jato:

Força-tarefa da Lava Jato manifesta preocupação com decisão de instauração de procedimento disciplinar a partir de reclamação do ex-presidente Lula contra procurador

Para procuradores, decisão da Corregedoria-Nacional coloca em risco garantias fundamentais do cidadão e do exercício independente da função ministerial.

A força-tarefa Lava Jato em Curitiba vem a público manifestar respeitosamente sua preocupação em relação à decisão da Corregedoria-Nacional do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) que entendeu por instaurar procedimento administrativo disciplinar contra o procurador regional da República e cidadão Carlos Fernando dos Santos Lima, a partir de reclamação feita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Tal decisão acontece após reconsiderar posicionamento anterior que havia determinado o arquivamento da reclamação por entender, no primeiro exame, que não existia irregularidade, sem que tenha havido qualquer alteração fática em relação à situação anteriormente decidida.

1. Nas redes sociais, o procurador e cidadão Carlos Fernando dos Santos Lima faz críticas públicas que, analisadas no seu contexto, veiculam comentários sobre atitudes e ideias de autoridades públicas, sem qualquer ataque a pessoas específicas. O procurador faz, ainda, afirmações que estão direta e visivelmente relacionadas a evidências de condutas ímprobas ou criminosas por parte da pessoa pública, as quais inclusive já foram objeto de acusação por parte do Ministério Público.

2. É dever do Ministério Público e direito de todo cidadão trazer a público e explicar o envolvimento comprovado de partidos políticos e políticos em crimes, de forma privada ou pública, e de apresentar reprovação em relação a tais comportamentos, inclusive com a indicação nominal dos envolvidos e particularmente quando acusações formais já foram apresentadas. É ainda dever do Ministério Público e direito de todo cidadão defender a lisura no trato da coisa pública, a probidade dos governantes e a correção do processo eleitoral. (…)

Verdades e mentiras sobre a caravana de Lula em São Borja

Fui almoçar em São Borja. Quando cheguei no trevo, realmente tinha um grupo de pessoas, algumas máquinas, camionetões, elite, a mesma direita daqui … os mesmos rompantes, as mesmas manias de superioridade e grandeza. Mas, repito, um grupinho inexpressivo. Conheço multidões desde a campanha das Diretas Já.

Depois do almoço, trabalho. Subi ao sexto andar do FORUM, onde funciona o JIJ, depois uma audiência com a Promotora Mellissa Juchen, a mesma que sempre atuou no caso da minha filha, ela atende São Borja e Itaqui. Prática, gentil, educada, uma mulher altamente talentosa e semeadora da paz, do entendimento e da concórdia. Creio que uma pessoa assim engrandece nossas instituições e, em particular, o Ministério Público.

Saindo do MP, reuni-me com a direção da uma escola e fui ver os movimentos.

Os latifundiários estavam em pequeno número. A Brigada Militar, Polícia Federal e Polícia Federal Rodoviária asseguram a lei e a ordem, especialmente o direito de ir e vir as pessoas.

A caravana entrou triunfante, vários carros pretos da Polícia Federal escoltavam o presidente e sua delegação. Batedores de moto, agentes federais rodoviários, fechavam um lado da estrada … eram vários ônibus e centenas de carros. Os valentões desordeiros recuaram … um poderoso guinho recolheria os veículos dos desordeiros.

É claro, em qualquer lugar do mundo existem desordeiros, gente anti-democrática e que não aceita a liberdade de expressão e opiniões diversas. Presenciei tudo, a direita afora ser estúpida, é falastrona. Lula e os seus passaram pelo trevo, enquanto alguns atônitos, boquiabertos, mal entendiam a grandeza e a transcendiam do petismo. Acharam que intimidariam. Desconhecem a lei e o Estado democrático e de Direito.

Rugiram com leões, mas transformaram-se em gatinhos novos diante do poder e da grandeza do aparato de Lula e da força, brio e destemor dos petistas.

 

Crédito foto: DSB

“É hora de deletar o Facebook”, diz fundador do WhatsApp Por Felipe Demartini | 21 de Março de 2018

O cofundador do WhatsApp, Brian Acton, se uniu ao movimento #DeleteFacebook. Por meio de uma mensagem publicada em sua conta pessoal no Twitter, ele foi curto e grosso, afirmando que “é hora” e levando adiante a hashtag, que tem estado entre os assuntos mais comentados da rede social desde o final de semana, quando mais um escândalo relacionado ao uso indevido de dados pessoais dos usuários foi detonado na imprensa.

Em comentários adicionais, Acton afirma que é hora de “apagar e esquecer”, com os usuários se preocupando mais com a própria privacidade. Além disso, aproveitou para divulgar uma distribuição pública de moedas virtuais da categoria Ethereum como uma forma de divulgar a utilização dessa modalidade financeira entre os meios virtuais.

Um dos criadores do mensageiro popular em todo o mundo, Acton vendeu seu produto para o Facebook em 2014 junto com seu parceiro, Jan Koum, por US$ 19 bilhões. Ele permaneceu na empresa até novembro daquele ano. Depois, passou a fazer parte do projeto Signal, trabalhando no desenvolvimento de um aplicativo de comunicação que é visto como um dos rivais emergentes do WhatsApp.

Informações e privacidade no Twitter Ads Acton não falou sobre o software que criou em si, mas a hashtag usada por ele se refere não apenas ao Facebook em si, mas também a todos os programas relacionados, o que inclui o WhatsApp. Outros usuários do Twitter repercutiram a mensagem do cofundador do mensageiro desta maneira, mas ele não os respondeu nem se pronunciou a esse respeito.

Vêm sendo dias difíceis para o Facebook, que já perdeu US$ 49 bilhões em valor de mercado desde a detonação do escândalo da Cambrydge Analytica, que usou irregularmente os dados de 50 milhões de pessoas em campanhas políticas, sem autorização delas. As ações do Facebook tiveram baixa de 9% somente nos últimos dois dias, o que também fez com que a rede social caísse duas posições no ranking das maiores empresas do mundo. Agora, ela aparece na quinta posição, tendo sido ultrapassada pelo Alibaba e Berkshire, o conglomerado bilionário de Warren Buffett.

Fonte: Brian Acton (Twitter)

Desenho anatômico do pior governo da história de Santiago

Sem a menor sombra de dúvidas, Tiago Lacerda é o pior prefeito da história de Santiago.

Primeiro, não faz nada e governa em cima de factóides.

Segundo, não deu um passo no sentido de mudar a velha matriz econômica de Santiago. Grassa o desemprego e a miséria nas vilas. Não houve intervenção no eixo econômico, não houve política de atrativos industriais.

Terceiro, os retrocessos na área da saúde são assombrosos; dependentes de recursos federais, quando estes falharam, faltam até medicamentos básicos. O fechamento do Pronto Atendimento é o retrato mais fidedigno que não se têm propostas sérias para equacionar o caos que virou a saúde em Santiago, e nem estou falando na ambulancioterapia.

Quarto, a educação infantil passa por um caos, com turmas superlotadas e demandas que superam as ofertas.

Quinto, não cumpriu a promessa das 60 casas populares no primeiro ano de governo. Fala em fazer 300 casas, num lote que já era da prefeitura, nas proximidades da Bonatto. Porém, não apresentou, até hoje, nem mesmo para a imprensa bajuladora, o tal contrato que diz ter firmado. Enquanto isso, levantamentos preliminares dão conta que o déficit habitacional em Santiago chega a 3 mil residências.

Resumo: política de lixo na educação, na saúde, na habitação e na geração de empregos e rendas, onde nada fizeram para captar investimentos e atrair fábricas capazes de gerar empregos e rendas e rendimento subjacentes.

Com esse déficit social de geração de rendas e empregos, bem como falta de moradia, os problemas sociais se avolumam, com demandas nos bairros que envolvem desde a questão da segurança pública até a ausência de infra-estrutura urbana.

Santiago é como aquela virgem deflorada que pratica sexo anal para manter o hímen intacto no casamento e mostrar o lençol ensanguentado para a parentela machista. Somos uma caricatura. Apenas pinturas, o comércio de tintas não está em crise, pinturas, lambuzos, aparências. Empreguismo, afora ser um governo totalitário que tenta calar a crítica usando os meios repressivos do Estado.

A crise com os servidores (não os pelegos) tomou um vultou público com o caso dos motoristas. É um escândalo sem precedentes.

Nunca se viu isso na história de Santiago.

Tiago Lacerda está enterrando o PP, é um governo desatroso, não tem inovações, vivem da aparência publicitária, porque a realidade está nas vilas que detém 60% da população de Santiago. Hoje, as pessoas estão desesperadas por um emprego, vivem de cestas básicas, chega dar pena … um município rico, com um rebanho bovino que é 5 vezes a população do município, com um fartura de grãos, com uma abundância de matéria-prima e os mesmos mamadores de sempre, com suas família acomodadas, ignoram que estamos afundados na pior charneca social.

A fúria fiscalista, a única política visível do governo Tiago, está retratada nos índices de reajustes da coleta do lixo. Tirar do povo pobre e aumentar a miséria, para manter uma máquina pública cansada, emperrada, inoperante e falida internamento, porque – externamente – vivem de publicidade e factóides que retratam uma cidade irreal, melhor seria: surreal, porque um povo acrítico, sequer tem força de reclamar dos abusivos reajustes das contas de lixo. Bastaria uma ação judicial e tudo seria revisto, mas no império de pelegagem e no reino da bajulação, não sei quem sobrará para apagar a luz.

O pastor Cláudio vai ascender aos céus com seus discípulos, estará livre. Nós, que herdaremos o inferno, seguiremos lutando com satanás.

Eu sei esperar a hora. Sou da teoria de Vandré. Os anos me ensinaram a ser paciente.

Tenho dó de tanta miséria e saudades de uma Santiago alegre, sem mendigos e sem gente esmolando pelos guetos. Feliz foi Chicão, Deus o levou aos céus.

Santiago só sobrevive graças aos quartéis, aos servidores públicos e maravilhosa gestão do Hospital, onde ali tudo funciona perfeitamente e dá um grau de satisfação ao povo.  O resto, réquiem.

 

 

 

Saiu agora a noite. Pesquisa realizada no Rio Grande do Norte. Lula tem 43% e, em segundo, Bolsonaro com apenas 16.7%

Do Blog do BG – O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva aparece na pesquisa estimulada com 43% das intenções de votos dos potiguares, quase o triplo do segundo lugar, Jair Bolsonaro, com 16,7%, mostra levantamento feito pelo Instituto Seta.

Ciro Gomes (3,3%), Marina Silva (1,6%), Geraldo Alckmin (1%), Rodrigo Maia (0,5%), Álvaro Dias (0,4%), Manuela D’Ávila (0,1%) e Henrique Meirelles (0,1%) completam a lista.

Os votos nulos, brancos ou em ninguém somaram 26,7%, e 6,6% declararam indecisão.

A pesquisa foi realizada de 10 a 13 de março e ouviu 1.100 eleitores em todas as regiões do Rio Grande do Norte. A margem de erro é de 3,5% e o intervalo de confiança é de 95%.

Em todos os Estados do Nordeste Lula ganharia no primeiro turno, com o triplo dos votos do segundo colocado. Antes da condenação, Lula aparecia com 29.5%. Depois da condenação pelo TRF4 saltou para 43% das intenções de votos. Bolsonaro caiu de 19.8% para 16.7% e Ciro Gomes manteve-se estável nos 3%.

O levantamento foi registrado no Tribunal Regional Eleitoral sob o número RN-07296/2018.

Fonte: Click Política/Instituto Seta/TRIBUNA.

O ódio está solto

Teresa Crunivel – Jornal do Brasil

Se agora a situação está assim, imagine quando chegar a hora da eleição. No primeiro momento, foi a compaixão, com milhares de pessoas repudiando a execução de Marielle Franco. Não o fizeram por convocação ou identidade com a esquerda a que se filiava a vereadora do PSOL. Dois dia depois o ódio saiu da toca e começaram os ataques à sua memória e reputação, que só faltaram dizer “fez por merecer”. No domingo, um padre foi “xingado de tudo” em Ipanema por tê-la citado positivamente durante a missa. Ontem o ex-presidente Lula teve o ônibus de sua caravana cercado e apedrejado no Sul. Em São Paulo, um grupelho lançou tomates contra o ministro do STF Gilmar Mendes, na chegada ao local de uma palestra, exibindo cartazes “somos todos Lava Jato” e “fora Gilmar”.

Se o crime político e hediondo ocorrido no Rio tornar-se um ponto de viragem na conjuntura, hipótese que aventei na coluna de anteontem, as coisas vão piorar. Vai se aprofundar o antagonismo entre direita e esquerda, e entre os grupos reflexos contra isso e pró-aquilo, engrossando a corrente de ódio que corre entre nós desde 2013.

Não que antes o Brasil fosse um país cordial, como propagado por leituras equivocadas de Sergio Buarque de Hollanda, que não falou de um homem pacífico e amoroso. O que ele identificou foram artifícios e ardis polidos apenas na epiderme como estratégia de inserção. Falou de um homem que, olhando para seu próprio umbigo, segue menos a razão e mais o coração, e nele ódio também tem morada: “cada indivíduo afirma-se ante os seus semelhantes indiferentes à lei geral, onde esta lei contrarie suas afinidades emotivas, atento apenas ao que o distingue dos demais, do resto do mundo”, disse ele.

Não faltou ódio ao longo dos 500 anos em que “caçamos índios e operários, queimamos árvores e hereges, estupramos livres e mulheres, sugamos negras e alugueis”, como diz o esquecido mas sempre atual poema de Affonso Romano de Sant’Anna, “Que país é este?” , publicado por este JB no estertor da ditadura. Mas este de agora, temperado pela radicalização política, não mais se dissimula, drenado principalmente pelas redes sociais, que liberam os instintos e oferecem a proteção do anonimato. E que se converte crescentemente em violência, como no caso de Marielle, como no aumento vertiginoso da taxa de homicídios, como na situação do Rio. Não haverá intervenção bem sucedida se não atacar as causas do ressentimento social, fonte de ódio, e se não houver no país uma repactuação política, ancorada no respeito à vontade da maioria. Do jeito que vamos, quando a eleição chegar, quem sabe o que virá. Muito adubado o ódio ainda será até lá.

MOREIRA: SEM RECUO

Houve muito desencontro ontem no governo a respeito das verbas para a intervenção no Rio, com o presidente Temer falando em R$ 800 milhões, o ministro Meirelles em R$ 1 bilhão e o general Braga Netto falando na necessidade de R$ 3 bilhões. Para o ministro-chefe da Secretaria-geral da Presidência, Moreira Franco, a obsessão orçamentária é equivocada e não afetará a determinação do governo em prosseguir com a intervenção. “Recursos não faltarão, e não precisam ser liberados de uma só vez, até porque os regramentos jurídicos não permitem a execução imediata de todo o volume. Depois, sempre surgirão imprevistos que exigirão mais recursos, e serão providenciados. Ninguém poderia supor que a arrogância do crime organizado produziria este crime bárbaro. O que precisa ficar claro é que o governo não vai recuar da intervenção e vai aprofundá-la, com ações complementares. O assassinato da vereadora só reforça nossa convicção de que a intervenção era necessária, inclusive para proteger vidas humanas. Não pudemos evitar esta morte, podemos ter mais casos desta natureza mas o crime não nos intimidará’, disse ele à coluna.