Toxoplasmose. Este blog foi o primeiro veículo de comunicação do Estado a comunicar o surto

Elizabeth Souque De onde veio a notícia? Quem confirmou?
Gerenciar
CurtirMostrar mais reações · Responder · 2 d

Júlio Prates respondeu · 1 resposta
Ana Claudia Bernarda da Silva
Ana Claudia Bernarda da Silva Patricia Rubim….fica atenta
Gerenciar
CurtirMostrar mais reações · Responder · 2 d
Marcelo Pinto Ribeiro
Marcelo Pinto Ribeiro Ontem dia 20/04, foi o “assunto” de todas as mídias da RBS, após a coletiva do Prefeito Pozzobom. Bota fonte nisto! 📺📡🏆
1
Gerenciar
CurtirMostrar mais reações · Responder · 3 h
Júlio Prates
Júlio Prates Marcelo Pinto Ribeiro quando eu divulguei esta notícia, nada ainda tinha sido vazado. Depois, foi que tudo se tornou público.
1
Gerenciar
CurtirMostrar mais reações · Responder · 3 h
Marcelo Pinto Ribeiro
Marcelo Pinto Ribeiro Júlio Prates , exatamente isto, seu post é do dia 17 e a RBS repercutiu três dias de atraso.

Cláudio Cardoso e o drama hamletiano com script shakespereano

É um drama e tanto. Cláudio Cardoso vive um drama hamletiano, ser ou não ser governo, eis a questão.

Ele sabe de tudo e tornou-se refém de sua própria consciência. O enredo se enquadra perfeitamente num conto de William Shakespeare, sendo Deus o fantasma que o assombra, muito embora seu drama pessoal nos lembre, também, o escravo da consciência de Crime e Castigo, de Fiódor Dostoiévski.

Resguardados os fatos, a era e as peculiariedades, existem similitudes, pois ele sabe dos crimes e se tornou refém de sua consciência diante de Deus e não consegue mais conviver com o crime e o castigo, pois se fecha os olhos, Deus abre-lhe a consciência, se tenta desvencilhar-se de sua consciência, emerge a força da realidade do assombro que o partido lho provoca.

A situação é quase enlouquecedora e os reflexos no psique afetam sim e desregulam todo seu organismo. Até os remédios fazem efeito colateral. A realidade lhe assemelha um hospício e ele vê-se na condição de ser co-partícipe da alienação coletiva que tomou conta do corpo funcional e da estrutura social onde ele está inserido.

Oremos todos pelo nosso Pastor e vice-prefeito. Ele é um homem bom e decente, engolido por engrenagens superestruturais de poder, nas quais ele não se insere e delas tenta de afastar.

Amém.

Ruderson Mesquita recebe a Medalha do Exército Brasileiro

Ontem, nosso querido amigo, foi agraciado pela instituição mais respeitada e com maior credibilidade do nosso Brasil.

Ruderson Mesquita foi condecorado com a Medalha Exército Brasileiro;

Valeu o justo reconhecimento do Exército local, uma escolha acertada e merecida. Estamos junto com o Exército e com Ruderson para ampliar a democracia no pais.

Nosso Exército nos orgulha muito.

Toxoplasmose …ALERTA GERAL

Falta um comunicado oficial.

Houve uma reunião com o secretário estadual de saúde e veio os resultados para descobrir a causa da síndrome febril que atinge, nesse momento, 3 mil pessoas.

Positivaram toxoplasmose nos filtros de água de Santa Maria, que se proliferou devido o acúmulo de algas.

Como as pessoas se locomovem, a possibilidade é que tenha se espalhado pela região.

Quem apresentar sintomas de febre, dor no corpo, deve-se procurar ajuda médica urgente.

O caso estava isolado em Santa Maria, mas esparramou-se pela região devido a locomoção das pessoas.

A situação é de alerta geral e alto risco.

Marco Peixoto inocentado no STJ

Na data de hoje, 18/04/2018, o Superior Tribunal de Justiça, através de sua
Corte Especial, em Ação Penal Originária, absolveu por unanimidade de votos
o Conselheiro do Tribunal de Contas do RS Marco Peixoto. O Ministro Relator
Luis Felipe Salomão fundamentou seu voto em pedido do próprio Ministério
Público Federal e de seu Advogado Defensor Dr. Fábio Medina Osório pela
inexistência de provas de conduta dolosa por parte do Réu, impondo-se sua
absolvição. Com esse julgamento encerra-se procedimento judicial iniciado no
ano de 2012, com a comprovação da inexistência de conduta tipificada como
ilícita, por parte do Conselheiro Marco Peixoto.

blog Ruy Gessinger

SURTO DE TOXOPLASMOSE ATINGE A REGIÃO

Urgente. Atenção

Surto de toxoplasmose em Santa Maria e região. Cuidar produtos coloniais, embutidos.

De dez casos encaminhados para o LACEN – no dia de hoje – sete foram positivos.

Há mais casos esperando confirmação;

Atenção com as crianças.

ALERTA SANITÁRIO GERAL

‘Democracia se constrói quando todas as instituições respeitam as regras do jogo’, dizem procuradores do MPF

Sul 21

“Inadmissíveis”. Assim a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal, classificou as manifestações do General Villas Boas, comandante do Exército, sobre ações julgadas no Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quarta-feira (4).

Em nota, os quatro procuradores federais que integram a Procuradoria, dizem que “democracia se constrói e se fortalece quando todas as instituições respeitam as regras do jogo” e salientam a gravidade de uma ameaça à autonomia do STF ter partido da cúpula que “detêm o monopólio do uso da força armada no País”.

O texto segue: “A mera cogitação por parte de alguns agentes do Estado e de segmentos da sociedade civil de intervenção militar contra o exercício legítimo da competência judicial pelo Supremo Tribunal Federal revela que a tarefa de consolidação democrática no processo transicional brasileiro não foi concluída, até mesmo porque seguem pendentes os acertamentos judiciais de crimes contra a humanidade e reformas institucionais, como reiteradamente já se pronunciaram diversos órgãos e mecanismos das Nações Unidas e do Sistema Interamericano de Direitos Humanos”.

Leia a nota na íntegra:

A democracia se constrói e se fortalece quando todas as instituições respeitam as regras do jogo, a começar pela observância da separação de poderes, nos estritos termos da Constituição Federal. Ameaças explícitas ou veladas de violação à autonomia do Supremo Tribunal Federal por parte do Poder Executivo são inadmissíveis em quaisquer hipóteses. Mais grave se partem da cúpula de instituições que detêm o monopólio do uso da força armada no País.

O Brasil completa em 2018 o trigésimo aniversário da promulgação da Constituição de 1988. Constituição restauradora da ordem democrática, a qual foi abatida em 1964, por um golpe de Estado que deu origem a graves violações aos direitos humanos, ainda mantidas impunes. A mera cogitação por parte de alguns agentes do Estado e de segmentos da sociedade civil de intervenção militar contra o exercício legítimo da competência judicial pelo Supremo Tribunal Federal revela que a tarefa de consolidação democrática no processo transicional brasileiro não foi concluída, até mesmo porque seguem pendentes os acertamentos judiciais de crimes contra a humanidade e reformas institucionais, como reiteradamente já se pronunciaram diversos órgãos e mecanismos das Nações Unidas e do Sistema Interamericano de Direitos Humanos.

O Supremo Tribunal Federal, ao decidir o Habeas Corpus nº 152752, não deliberará entre punição ou impunidade, mas sim sobre qual interpretação confere, em última instância, a normas constitucionais sobre os direitos do acusado. Essa missão é exclusivamente sua, nos termos do artigo 102 da Constituição. É extremamente saudável que a sociedade civil compreenda e livremente se manifeste, critique e debata a atividade do poder judicial e suas decisões (CF, art. 5º, IV, IX e XXXIII). A liberdade de manifestação protege, inclusive, agentes públicos que, no exercício de sua cidadania privada, se expressem sobre processos judiciais. Todavia, o Poder Executivo – por qualquer de seus órgãos de cúpula – não pode ameaçar o exercício livre da competência judicial. Um ato de ameaça ao Supremo Tribunal Federal é da mais alta gravidade constitucional e pode caracterizar, em tese, crime de responsabilidade (Lei nº 1079/50, art. 6º, 6: São crimes de responsabilidade contra o livre exercício dos poderes legislativo e judiciário e dos poderes constitucionais dos Estados: usar de violência ou ameaça, para constranger juiz, ou jurado, a proferir ou deixar de proferir despacho, sentença ou voto, ou a fazer ou deixar de fazer ato do seu ofício). Se suposta ameaça ocorresse no plano estadual, poderia dar ensejo, inclusive, à intervenção federal (CF, art. 34, IV).

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, órgão do Ministério Público Federal, reafirma sua defesa intransigente das instituições democráticas e de respeito ao Poder Judiciário e repudia qualquer iniciativa de interferência indevida no livre exercício da missão constitucional do Supremo Tribunal Federal.

Deborah Duprat
Procuradora Federal dos Direitos do Cidadão

Domingos Sávio Dresch da Silveira
Procurador Federal Adjunto dos Direitos do Cidadão

Marlon Weichert
Procurador Federal Adjunto dos Direitos do Cidadão

João Akira Omoto
Procurador Federal Adjunto dos Direitos do Cidadão

OAB rechaça ameaça de golpe militar. Esta OAB me representa

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Carlos Lamachia, criticou, em nota, a declaração do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, que afirmou que a corporação “julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à democracia. Declaração do general foi entendida como uma ameaça ao Supremo Tribunal Federal (STF) que julga nesta quarta-feira (4) o habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na nota, Lamachia diz que “não existe solução para o país fora da Constituição e da democracia” e que “o país vive hoje seu mais longo período democrático, iniciado com o fim da ditadura militar. Nossa jovem democracia já criou instituições sólidas e capazes de lidar com erros e acertos. É preciso aprimorá-las, como tem sido feito a partir do uso de ferramentas e mecanismos constitucionais. Não existe solução para o Brasil à margem da Constituição”.

“A OAB, no seu papel de tribuna da cidadania e defensora intransigente do Estado democrático de Direito, conclama a nação a repudiar qualquer tentativa de retrocesso e reitera sua determinação em continuar apoiando a luta pela erradicação da corrupção em nosso país, na estrita observação do que determina a Constituição. Para os males da democracia, mais democracia. Não podemos repetir os erros do passado!”, completou.