A última mamadeira

Sharing is caring!

Eu sempre vivi momentos incertos em minha vida. Na verdade, a contradição sempre foi maior que meu desejo objetivo.

A destruição de minha família e a consequente separação de minha filhinha, foi o mais duro golpe que levei em toda minha vida.

Minha filhinha é um doce de pessoa. Amável e sensível, ela sabe perceber tudo. Interioriza e guarda tudo. Sei que ela vive se metamorfoseando ante a falta de opções. Porém, sempre revela-se.

Ao chegar em Santiago, sexta-feira à noite, pede-me para jantar no Batista. Todos a conhecem, é a noite do peixe. Ela escolhe peixe e uma massa. Acho que ela fica feliz, relembra todos os doces momentos.

Fica o tempo todo comigo ao redor. Desiste de brincar com as amiguinhas dela. Olha atentamente o Jornal Expresso Ilustrado e me pergunta: será que algum dia meu nome vai sair no jornal?

Mas Nina me surpreende.

Como adora Lazanha bolonhesa, comprei duas caixas. Mas, na hora de janta, decide ficar em casa e me diz que quer comer ovos fritos com galinheiro (arroz com filet) de frango. E lá vou eu para eu mercado. Mudou a rotina da janta.

Depois, fica horas conversando. Conta histórias, tenta entender essa confusão entre árabes e judeus. Me pergunta muito. Conversa com meus amigos e amigas pelo whatsapp.

Na hora de dormir, ela começa a expressar o carinho: eu sou o melhor pai do mundo, tu é incrível. Eu já sei: tenho que preparar uma mamadeira com nescau, na verdade eu compro pronto aqueles achocolatados. Ela mama, acaricia meu rosto, adora passar as mãos em meus cabelos.

Sempre repete que se sente segura ao meu lado, e dorme o sono mais relaxante do mundo. Ela sabe que é tudo contadinho, o tempo, as horas e os minutos. Esperamos decisões do poder judiciário e combatemos a defensoria pública que faz de tudo para promover a alienação parental e se vinga usando a Nina por eu defender a extinção das defensorias estaduais. Mas eu não sou de me render. Levei o debate ao Ministro Sérgio Moro e tenho certeza que muita coisa nova vai surgir no país.

Esta madrugada terminei a mais complexa entrevista que eu vou fazer: entrevistar o Jornalista e Doutorando, UFSM, João Lemes, um dos maiores sábios de nossa região e que influencia comportamentos, intercede no modo de pensar de um coletividade e – hoje – passa mergulhado nos clássicos de filosofia e da literatura mundial.

Acompanho a velocidade dos acontecimentos mundiais. Tudo está muito rápido. Assusta-me o governo de Bibi, em Israel. Já optaram por bombardear a Líbia. Noto os líderes evangélicos perdidos, pois alinham-se com as teses do Terceiro Templo, Marcos Feliciano e Silas Malafaia, dão provas de insipiência total nesse debate. Pior que eles, só nosso presidente, que faz uma confusão e chega a pregar o perdão aos nazistas e aos campos de concentração. Deu para o próprio presidente de Israel dar-lhe uma esfrega. Não considero o governo Bolsonaro e seu grupo como fascistas e nazistas, mas vejo um alinhamento ultra-complicado.

Os judeus nunca reconheceram Jesus Cristo como o Messias. Sempre anunciaram que o Messias deles viria ao mundo, daí as profecias do bezerro vermelho e a construção do terceiro templo em Israel. É evidente que o messias dos rabinos de Israel é o anti-messias (ou o anti-Cristo). Curiosamente, algumas lideranças evangélicas no país, sem a devida compreensão da geopolítica mundial e sem entender direito o quadro que se forma, passam a se alinhar com Israel. Isso é triste demais.

Cresce o racismo em nosso meio, disfarçado, mas cresce.

Tudo muda muito rápido. A velocidade dos acontecimentos é estonteante.

Nesse cenário, procuro equilibrar-me, defender-me dos ataques da direita e da esquerda, e manter minha preocupação constante com minha filhinha.

Hoje, acordei cedo. Perto das 6 horas da manhã, esquentei um mama e dei para minha filhinha. Ela mama dormido, adora um acholatado quentinho … e dorme.

Estou muito feliz com os desdobramentos locais do nosso PDT. Acho que fiz a melhor escolha de minha vida. Nosso Presidente, Bittecourt, é uma pessoa muito ponderada, sensível e altamente democrático. Não age como certas pessoas que se transformam em donos dos partidos e agem como tais.

Agradeço muito aos amigos que interagem comigo. Que sabem entender toda a complexidade que o momento exige.

São tempos novos, difíceis, redefinições em praticamente tudo. Contradições que afloram e nós seguimos nesse emaranhado.

Minha filhinha manou sua última mamadeira, dorme serena, está na mansidão divina, sabe da graça Divina e da proteção dos anjos do bem que nos rodeiam. Lemos a Bíblia. Oramos e Deus dá-nos a paz do sono e a tranquilidade para nossos espíritos viver a paz e enfrentar os infortúnios da vida.

( escrito direto e sem revisão)

Comentar no Facebook

Deixe uma resposta