A educação domiciliar não é bicho de sete cabeças

Sharing is caring!

Educação domiciliar é uma modalidade de ensino que os próprios pais ensinam os saberes, português, matemática, biologia, física, química …, para seus filhos no recôndito do lar.

Estou procurando um artigo meu, escrito em 1978, quando já defendia esta modalidade de ensino. Aliás, sempre fui adepto do ensino domiciliar, inclusive em minhas petições, em juízo, envolvendo a Nina, sempre deixei claro isso.

O que acontece é que os pais, hoje, não educam seus filhos, têm um contato mínimo e transferem tudo para a escola.

No projeto do governo federal, quem quiser educar seu filho em casa, obedecendo diretrizes, como é nos EEUU e em mais de 70 países, educa. Quem não quiser, que siga com a escola pública e ou privada.

Não se trata de um bicho de sete cabeças. Existem pais que se dedicam aos filhos. Meu maior sonho era poder educar minha filha e não simplesmente transferir a escola sua formação.

Eu me sinto em condições de formar minha filha. Tempo, o pai ou a mãe que quiser, acha, desde que seja um Pai ou uma Mãe, tal como a Bíblia defende. O pai provedor e a mãe cuidando do lar e dos filhos.

Eu não sou contra as escolas, de maneira nenhuma. Mas acho que deve haver liberdade de escolha e não autoritarismo imposto pelo Estado.

Sei que isso soa estranho, como tudo que é novo. Mas acredito que esse projeto passa no congresso nacional e é melhor já irmos aceitando tal concepção.

Isso é como o voto obrigatório. Logo, o governo tornará o voto facultativo em nosso país. Excelente ideia. Vota quem quer. Quem não quer, que não precise ficar pagando multas e sendo trancado em inscrições para concursos.

O novo – geralmente – assusta. Mas precisamos estar abertos ao novo, a começar pelo amor aos nossos filhos, cuja formação é transferida sempre a terceiros, justamente pela desagregação da família. Hoje, nossos filhos são criados pelas domésticas, pelas escolinhas, por terceiros e pelas escolas. A alegação de que os pais precisam trabalhar soa tão comum porque estamos acostumados com a mulher jogada no mercado de trabalho, muitas vezes explorada em fábricas, lojas, quando se papel deveria ser outro.

O resgate pelo Estado do verdadeiro papel da família, passa pelo incentivo a que os pais se voltem para seus filhos, com dedicação, amor e carinho. E o ensino domiciliar é um dos pontos que aproxima os pais de seus filhos e ajuda a manter a família unida.

Comentar no Facebook

Deixe uma resposta