Aberto o debate sucessório municipal em Santiago

Sharing is caring!

As peças nos tabuleiros municipais começam a se movimentar; mais cedo do que se imaginava. Em Santiago, o PP vê-se diante de um dilema. O atual prefeito se auto-proclamou candidato, antecipando-se à convenção. Tiago Lacerda não é consenso nem de longe. O candidato dos convencionais é Júlio Ruivo. Porém, o problema não é o único. Existe o fator Cláudio Cardoso, que é – hoje – a maior liderança de Santiago e mais forte que qualquer outro nome dentro do PP. A questão é que Cláudio Cardoso não está nas mãos de nenhum grupo dominante, mas é o único nome forte capaz de enfrentar Guilherme Bonotto. Está nas mãos de Deus, o que é bom e ruim para quem pensa o PP.

Guilherme se tornou o nome mais forte da oposição. Milhares de pessoas dizem-se arrependidos de não terem votado nele. Ademais, poderá ter como vice o atual deputado Miguel Bianchini, o que fortaleceria a chapa sobremaneira. Mas tem outras opções e a maior delas é Toninho Gomes.

Mas sobre o futuro do Deputado também pairam incertezas. Muitos alegam que ele não aceitaria compor com Guilherme. Outros, dizem que ele empreenderá uma carreira solo, kamikaze. Muitos setores, maldosamente, já anunciam que Bianchini vai concorrer a vereador. Pessoalmente, não creio nessa hipótese, embora remotamente ela exista.

A questão é mesmo cruel. O maior nome das oposições – hoje – é Guilherme Bonotto, que, embora derrotado em 2016, acabou revelando-se um grande líder, aglutinando a oposição, debatendo e nunca recuando. Manteve suas propostas e não abriu mão dos seus ideais. E é sempre beneficiado pelos estragos do governo Tiago, acreditem, que foi na China comunista atrás de uma fabriqueta de ração.

Bianchini não une ninguém da oposição. Sua natureza de lobo solitário não o credencia para unir a oposição. Saiu enfraquecido da eleição municipal e debilitado face ao confronto com Ruivo. Ou ficará fora do cenário político local ou aceitará compor como vice de Guilherme Bonotto.

Em suma, todos estão com problemas e graves problemas. O PP não sabe como se livrar de Tiago, que faz um péssimo governo, beligerante, sempre pautado pelo confronto e – ademais – responsabilizado diretamente pelo alto fracasso de Júlio Ruivo. Curiosamente, quem torce por Tiago é Guilherme Bonotto. Da mesma forma, a oposição precisa de Gisele Ribeiro e a baderna completa na saúde, é quem mais joga água no moinho da oposição.

Ruivo não tem desgaste, (exceto sua própria esposa, que é monumental); sua marca é de um governo bom, e todos sabem que os milhares de votos que perdeu se deram pelo desgaste do desastroso governo municipal de Tiago Lacerda, pois o município virou um palco de conflito, a começar pela saúde; faltam médicos, medicamentos… Os vereadores sonham com a volta de Ruivo.

O staff do PP sabe que o sonho de Guilherme é concorrer com Tiago. E o sonho de Guilherme é concorrer com Tiago. Júlio Ruivo poderia tornar o pleito mais competitivo.

Resta saber a posição do PT, mas é quase certo que terá chapa própria.

E as bancadas, sem coligação na proporcional, sabem que vem o desastre. O PP não só pode manter os nove vereadores, como pode até ampliar sua bancada. Isso é real e assombroso.

Nessas alturas, certo mesmo é o consenso em torno do nome de Guilherme.

Bianchini têm vários caminhos. 1 – Aceita ser vice de Guilherme. 2 – Se joga numa carreira solo a prefeito, suicida. 3 – Fica fora de tudo. 4 – Concorre mesmo a vereança.

O PP terá que se definir. 1 – Tiago. 2 – Ruivo 3 – Cláudio Cardoso ou cria um alternativa com o nome de Rodrigo Gorski, que agora aceita compor a majoritária.

Cláudio Cardoso não aceita mais ser vice de Tiago, essa posição está tomada. Ou concorre a Prefeito, onde é o nome mais forte de Santiago, ou vai se dedicar a obra de Deus.

Existem projeções de todos os lados e todas as hipóteses serão testadas.

E é um cenário para ninguém botar defeito. E onde tudo pode acontecer. O foco passa a ser a convenção do PP, na situação. E, na oposição, todos se voltam para o nome de Guilherme Bonotto.

Dúvidas? Sim. Bianchini, Cláudio Cardoso, Rodrigo Gorski …

Comentar no Facebook

Deixe uma resposta