A Honra, a ética, a verdade, o bem, a liberdade, a palavra firmada, são valores universais, e estão além da própria vida

Sharing is caring!

Um imbecil da comunidade mandou-me um post apócrifo me chamando de louco pela frase que escrevi no texto anterior: “MASSADA É MASSADA E BUFÕES SÃO BUFÕES”.

Ele debochou, perguntando se eu falava de uma panela de massa ou de massa miojo.

E triste lidar com a ignorância e conviver numa sociedade de analfabetos.

Explico-me:

Falava eu de honra, coisa que poucos sabem, o que é e dei como exemplo MASSADA.

Massada é uma montanha, que no cume, existe uma área habitável. Ali, nos anos 73 e 74, um grupo de bravos judeus, homens de fibra, de rara extirpe, decidiram ali se aquartelar com suas amadas famílias e resistir ao cerco do império romano.

Depois de quase dois anos de lutas e resistência, vendo que cairiam escravos nas mãos do Império Romano, preferiram matarem-se uns aos outros e últimos suicidaram-se coletivamente, num pacto que revela o valor da honra e o preço da liberdade.

Quando os ferozes soldados do império romano lá chegaram, encontram mais de 900 corpos (os historiadores não tem consenso sobre o número exato), nem Flavio Josefo, principal historiador judeu, sabe definir com exatidão o número de homens, mulheres e crianças, que preferiram a honra do suicídio a caírem escravos nas garras do império romano.

MASSADA, para mim, é exemplo máximo da honra de um povo. É o exemplo do preço da dignidade, da justiça e da vergonha.

Numa sociedade sem valores, onde a palavra empenhada não tem preço, onde a verdade e a mentira tem o mesmo valor, onde pais não respeitam as mães de seus filhos, onde o roubo e o vale tudo é a regra, onde homens metem a mãos nos recursos públicos de forma inescrupulosa, onde fortunas são construídas com dinheiro roubado da nação, onde somos indiferentes a dor dos que têm dores, a fome dos que têm fome, a ausência de medicamento para quem sofre dores por falta de um remédio, falar em HONRA e no exemplo e MASSADA, soa antiguidade, lenda, história e incompreensão de uma sociedade enlatada pelas redes de TVs e com conhecimento histórico abaixo de zero.

Eu fui casado por doze anos. Nesses doze anos, nunca me dignei olhar para outra mulher, porque sabia que devia honrar minha esposa, minha família e, depois, minha filha.

Outro dia, uma jovem senhora me procurou. Ela convivia comigo e com a minha ex-esposa. Ela faz o tipo peitões arrojados, calça enfiada na bunda, uma mulher bonita, e, por isso mesmo alvo de sucessivas investidas por parte dos homens. Então, certo dia, fui cobrar uma nota do jornal e ela pediu para eu sentar e esperar. Ficamos no mesmo ambiente. Baixei a cabeça e fiquei lendo uma revista. Certamente, ela – acostumada aos assédios – esperava algo similar de mim.

Passados muito anos, ela me procura, no facebook, começa a conversar comigo, pergunta da Eliziane, da Nina e revela que me admirava muito, porque dos homens que passavam por onde ela trabalhava, eu fui o único que a respeitou. Anos depois, lendo meus artigos, ele entendeu, que eu era casado e que minha postura era de respeito a minha esposa e família.

Minha honra valeu para mim e vou morrer com ela, embora, perante os juízos morais de sociedade, eu seja achincalhado, chamado de tolo, de corno, e de louco.

Louco é o adjetivo sempre mais fácil de rotular uma pessoa com aquilo que não conhecemos. Infelizmente, a internet é um campo livre, e uma pessoa que não sabe o que é e o que foi MASSADA, prefere simplesmente me chamar de louco.

Vi como um homem que trai a esposa, trai a família, trai a Pátria, trai a sociedade e não tem escrúpulos, nem diante da Justiça. Verdade e mentira são faces de uma mesma moeda.

O dia que eu precisar chegar na frente de uma juíza e mentir, prefiro me dar um tiro na cabeça, pois a mentira é filha do diabo e a Honra, a Dignidade, a Verdade e a Ética. são os valores que Jesus nos legou,  são valores universais, embora em seu nome, comentam todos os tipos de impropriedades, assaques, ameaças, chantagens, mentiras e engodos.

O mesmo juízo usam os que não entendem porque eu sofro ao lutar pela honra e contra a mentira, seja na família, seja como advogado, na vida em sociedade. Como advogado, nunca menti e não defendo – por dinheiro algum – a mentira. Se minha filha tiver minha herança genérica, ela vai me entender, nem que seja depois de minha morte. Por falar a verdade sempre, por ser sincero sempre, pago um preço altíssimo diante de gente sem valor, que sequer sabe o que é honra, vergonha e dignidade.

Neste post, quero deixar bem claro um fato de minha vida, dizem que todo o homem tem preço.

Respondo: todos?

Todos, eu não não tenho preço.

A minha consciência, minha honra, minha ética e meus valores de dignidade e verdade, ninguém conseguirá comprar, nunca. Justamente por isso, eu os coloco acima de minha própria vida.

Minha dor e minha tristeza não têm precedentes. Estou em pé pela dádiva divina, mas não abro mão de valores que são universais, dentre eles, a ética e a honra. E quem não é oportunista e nem covarde, sabe que é o preço da honra está além da vida.

A vida passa, os valores ficam.

Espero que me entendam.

Comentar no Facebook

Deixe uma resposta