Contradições e ambiguidades da sociedade brasileira

Há muitos anos eu não assistia a tamanha ambiguidade do povo brasileiro acerca de um fato social: a greve dos caminhoneiros.

A categoria tem potencial. Puxou o movimento, parou o país, ganhou adesão de setores organizados, petroleiros, mas, sobretudo, ganhou apoio da população.

Esta greve revelou ambiguidades sem precedentes; é evidente que o povo está apoiando, afinal os reflexos dos aumentos diários dos combustíveis, têm reflexos na vida de todos, com o gás de cozinha, com a gasolina, e com os custos repassados nos produtos, da pasta de dente ao tomate, da farinha do pão a um grão de feijão.

Entretanto, a grave demonstrou-se fragmentada em múltiplos comandos. A próprio negociação com Temer e Elizeu Padilha revelou isso.

O PT ficou dividido, o Deputado Marco Maia liberou uma nota de apoio ao movimento. Teve percepção. Foi hábil e inteligente.

Os intervencionistas, pediram golpe.

A direita, visivelmente rachada, pior que a esquerda. As bases bolsonaristas, pelo menos aqui no sul, apoiam a greve, e no norte, dão contra. Os líderes maiores e, de expressão, da direita, João Dória e Raquel Scherazade, saíram de pau no movimento, acusando os caminhoneiros de preguiçosos, vagabundos. Até Políbio Braga é contra o movimento. Curiosamente, a linha de amplos setores da esquerda, é só ver a coluna de Lauro Jardim, no DCM, que se verifica – visivelmente – uma conexão no pensamento de direita com o de esquerda. É um dilema hambletiano sem precedentes.

Por outro lado, a partir de agora, eu acho que esses generais falastrões deveriam calar-se para sempre. Submissos a uma quadrilha, fazem o  que Temer manda. Se Temer os manda cagarem no asfalto, eles cagam. Se Temer mandar mijarem nos caminhões, eles vão lá e mijam. São uns desmoralizados. Eu não defendo o golpe, não se trata disso, se trata de refletir sobre o comportamento servil e submisso das Forças Armadas, especialmente do Exército. Não sei se foi efeito do vazamento dos documentos da CIA, mas sei que a postura dos militares é vergonhosa. Agora, perderam completamente o respeito da nação.

Se nós tivéssemos algum general com coragem e raça, Temer estaria preso esta hora junto com sua quadrilha. É só formar uma junta de transição e convocar uma Assembléia Nacional constituinte livre, exclusive e soberana. Aí sim a História do Brasil seria reescrita, mesmo em suas contradições e no choque adverso de interesses.

Do contrário, como disse Elizeu Padilha, cinicamente, “o problema é o diesel”. Em outras palavras, se acharem uma solução para o diesel, acaba a greve o povo brasileiro continua sendo massacrado.

O momento é histórico. O movimento deveria ser mais politizado e exigir a renúncia de Temer, mas não, são tão corporativos que não conseguem vislumbrar nisso tudo uma chance real e concreta para exigir a queda de Temer.

Não adianta ficar remoendo porque eles forçaram a barra contra Dilma. Agora, o negócio é fazer que nem marido traído  que, por amor, perdoa a mulher e volta para ela, fingindo que nada aconteceu.

No fundo, estamos todos perdidos. Os caminhoneiros pediram intervenção militar. Ironicamente, os militares estão os massacrando sob as ordens do governo ilegítimo de Temer.

Imagino como está o bom senso e o humor daqueles que arrotavam intervenção. Tiveram tudo nas mãos, menos coragem e determinação. Os bolsonaristas estão que nem os petistas, mais perdidos que cusco em procissão.

Que sinuca de bico se enfiou o povo brasileiro. É uma contradição em cima da outra.

Em suma, o movimento é legítimo e representa os anseios de amplos interesses do povo brasileiros. Os militares viraram piada, obedecendo a um comando decrépito. O povo que se engaja no movimento, corre o risco de fazer o papel de pato. A direita ziguezagueando tanto quanto a esquerda. Por fim, uma quadrilha, dá a linha e comanda o espetáculo. Somos todos otários, puxados pelo corporativismo que só quer resolver o impasse em torno do seu umbigo.

Comentar no Facebook

Prefeito Osvaldo Froner corre risco iminente de vida

Eu recebi as filmagens feitas nessa noite acerca da perseguição que um carro faz contra a camioneta do prefeito Osvaldo Froner, do Capão do Cipó.

Ao todo, são 4 filmes, a perseguição é encarniçada e sem tréguas. Desde ontem o prefeito está sendo intimidado e perseguido. As autoridades foram avisadas, mas a perseguição, na noite de hoje, foi demais.

O que o carro perseguidor não sabia era que uma equipe de filmagens, instalou várias câmeras na camionete do Prefeito e – nas filmagens desta noite – o carro e a placa, bem como seu condutor, foram filmados.

Urge que mais policiamento e um sistema de segurança mais efetivo seja incrementado na pequena cidade. A situação é de extrema gravidade e quem assiste aos filmes se impressiona.

A caçada quase mortal ao prefeito detonou-se depois que a Polícia Federal chegou nos mandantes da tentativa de assassinato de Giovani Diedrich, depois da prisão, ontem, de um cipoense que pagou os bandidos. Aliás, esse já propôs fazer delação premiada e deve entregar os mandantes do assassinato de Alacir Dessoe e da tentativa de homicídio contra Giovani Diedrich.

A situação está a cada hora mais nebulosa e tensa no Capão do Cipó.

Se providências não forem tomadas – urgente – o prefeito Froner será alvo de um atentado nas próximas horas.

Comentar no Facebook

Polícia Federal apura atentado contra testemunha de inquérito sigiloso

Site Oficial da Polícia Federal
http://www.pf.gov.br/agencia/noticias/2018/05/pf-apura-atentado-contra-testemunha-de-inquerito-sigiloso

São Borja (RS) – A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (22/5) a Operação Junguzu, para apurar o atentado ocorrido em abril deste ano, no município de Capão do Cipó, contra uma testemunha de um inquérito que tramita em sigilo na Polícia Federal em São Borja.

Estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão e dois de prisão temporária, no município de Tupaciretã/RS. Participaram da ação 15 policiais federais, oito policiais civis e seis policiais militares.

Foram apreendidos telefones celulares, pequena quantidade de maconha e uma balança digital.

Comunicação Social da Polícia Federal no Rio Grande do Sul
imprensa.rs@dpf.gov.br | www.pf.gov.br
(51) 3235-9000

 

NOTA DO BLOG

Sabem por que o nome da operação é Junguzu?

Jagunço na língua quibundo ou jagun-jagun, “soldado”, do iorubá.

Sacaram?

 

 

Comentar no Facebook

Palavras do ex-governador de Minas e ex-senador da República pelo PSDB, Eduardo Azeredo, ao ser preso, onde vai cumprir pena de 20 anos por roubar dinheiro público

Em entrevista exclusiva à Record TV Minas logo após a decisão, o político mineiro disse que não estava preparado para a prisão. “(Sinto) uma injustiça muito grande. Quer dizer: não tem sentido acontecer uma coisa dessa sem prova. É uma coisa absurda como essa. (…) Eu não matei ninguémm, não pus dinheiro no meu bolso. (…) Não estou preparado para isso (para a prisão), porque é muito injusto”, destacou.

Comentar no Facebook

STF desautoriza juíza Lebbos

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a inspeção de uma comissão de deputados federais à carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está preso desde o dia 7 de abril.

A autorização havia sido negada duas vezes pela juíza Carolina Moura Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba e responsável por supervisionar a execução da pena de 12 anos e um mês de prisão à qual Lula foi condenado. Ela disse não haver “necessidade” da visita, pois uma outra comitiva do Senado já havia inspecionado o local, em 17 de abril.

Após a negativa, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), entrou no STF com uma ação de descumprimento de preceito fundamental (ADPF), alegando que a juíza violou o princípio de separação de Poderes, pois a Constituição, a lei e o regimento interno da Casa conferem aos deputados o direito de fiscalização e acesso a qualquer órgão público.

O Ministro Faccin entendeu que a juíza violou a independência entre os poderes, pois aos deputados federais e senadores é permitido o ingresso em qualquer repartição pública.

DCM

Comentar no Facebook

Bolsonaro busca aliança com corruptos condenados do mensalão

“Abrigado em um partido nanico, Jair Bolsonaro (PSL) aceitou jogar com as cartas da política tradicional” escreve o colunista Bruno Boghossian, na Folha.

“O líder da corrida ao Planalto intensificou seus contatos com o PR do ex-deputado Valdemar Costa Neto em busca de musculatura partidária e tempo de TV para tornar sua candidatura mais competitiva; chefão do PR foi condenado no mensalão por receber dinheiro para apoiar o governo Lula”.

CLICK POLÍTICA com informações de brasil247

Comentar no Facebook

STJ vai decidir sobre a guarda dos cachorros e cadelas após a separação de um casal

TJ-SP decidiu que homem tinha direito de visitar yorkshire, mas a ex-companheira recorreu ao STJ. O resultado poderá guiar as instâncias inferiores em processos futuros

Depois da decisão de um juiz da 3ª Vara da Família e Sucessões do Tribunal de Justiça de São Paulo, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determina hoje se a guarda de pets deve ser entendida da mesma forma que a custódia de crianças. Como não há legislação sobre o assunto, cabe aos juízes definirem com quem fica o animal no caso de separação, e se os ex-cônjuges têm direito a visitação.

O caso que originou a ação é de São Paulo: um casal assinou contrato de união estável em 2004 e, enquanto estava junto, adotou a cadelinha Kimi. Com o término da relação, a yorkshire ficou coma tutora, que impediu o ex de vistá-la. O homem, então, recorreu à Defensoria Pública do Estado, que entrou com ação de guarda compartilhada no TJ-SP. O juiz, contudo, extinguiu a ação, entendendo que não cabia à Vara de Família decidir a respeito. A Constituição brasileira considera que os pets são bens, e não membros da família.

Mas a defensora pública Cláudia Aoun Tannuri entrou com recurso, alegando que, hoje em dia, os animais já são considerados verdadeiros integrantes do núcleo familiar. “O Direito não pode ficar alheio a tal situação. Nesse sentido, os animais não podem mais ser classificados como coisas ou objetos, devendo ser detentores, não de direitos da personalidade, mas de direitos que o protejam como espécie”, defendeu.

Em votação unânime, os desembargadores da 7ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP aplicaram, por analogia, o disposto no Código Civil sobre a guarda e visita de crianças e adolescentes:

“Considerando que na disputa por um animal de estimação entre duas pessoas após o término de um casamento e de uma união estável há uma semelhança com o conflito de guarda e visitas de uma criança ou de um adolescente, mostra-se possível a aplicação analógica dos artigos 1.583 a 1.590 do Código Civil, ressaltando-se que a guarda e as visitas devem ser estabelecidas no interesse das partes, não do animal, pois o afeto tutelado é o das pessoas”.

A mulher, então, recorreu ao STJ, que decide hoje sobre o assunto. Embora as outras instâncias não sejam obrigadas a acatar a decisão do órgão, ela vai ajudar a nortear o entendimento dos juízes em processos semelhantes.

FONTE – STJ/CORREIO BRAZILIENSE

Comentar no Facebook

CAMINHOS POSSÍVEIS Especialista em Direito Eleitoral traça cenários pró e contra Lula nas urnas. E a opinião jurídica do blogueiro

CONJUR

Lula hoje é inelegível? Para o eleitoralista Fernando Neisser, a resposta técnica correta a essa pergunta é que não se sabe. O presidente da Comissão de Direito Eleitoral do Instituto dos Advogados de São Paulo abordou a questão que irá definir a eleição para presidente do Brasil em 2018 em uma palestra na sede do escritório Rubens Naves Santos Jr. Advogados.

Continuar a ler “CAMINHOS POSSÍVEIS Especialista em Direito Eleitoral traça cenários pró e contra Lula nas urnas. E a opinião jurídica do blogueiro”

Comentar no Facebook

Operação Federal em Tupã

Toda a logística da Polícia Civil de Santiago está operando junto, hoje, com a Polícia Federal na cidade de Tupanciretã. Os rescaldos serão no Capão do Cipo e em Santiago. Envolve políticos conhecidíssimos. O estouro será grande, maior que se possa imaginar.

Comentar no Facebook